Nova York com bebê de um ano (parte 6): onde comer, o que comer e dicas especiais sobre comidinhas para bebês nos EUA

Hoje continuaremos com as dicas sobre Nova York e o assunto é literalmente uma delícia: comida! Onde comer, o que comer e, no final do post, dicas especiais sobre comida prática e saudável para bebês e crianças nos Estados Unidos.

Estando em uma das cidades mais cosmopolitas do mundo, o que não faltam são opções de lugares para comer. Além de restaurantes tipicamente americanos, envolvendo stakehouses (churrascarias), diners e redes mundialmente famosas de fast food, há ainda muitos restaurantes de comida chinesa, vietnamita, indiana, coreana, mexicana, porto-riquenha, francesa, ucraniana, japonesa, italiana, judaica, paquistanesa, tailandesa, alemã, tcheca, húngara, brasileira, latino-americana, enfim… comida do mundo inteiro!

Pausa para papar!

Entre as redes de fast food, o turista encontra facilmente McDonalds, Burger King, Subway, Taco Bell, Wendy’s, KFC, Pizza Hut, Domino’s Pizza, Starbucks, Dunkin Donuts, entre muitas outras. Todos esses restaurantes costumam ser mais baratos. E quando eu falo barato, é barato mesmo. Em vários deles, no “dollar menu”, você consegue encontrar sanduíches, entre outras opções por apenas 1 dólar. Na Pizza Hut, uma pizza grande, com dois sabores, custa US$ 7,99 ou, qualquer pizza, de qualquer sabor e qualquer tamanho, por US$ 11. Muitos desses restaurantes aceitam cupons de descontos. É claro que ninguém vai se jogar nesse mar de fastfood o tempo todo, nem ficar comendo coisas que já temos a oportunidade de comer no Brasil, mas uma vez ou outra, para dar uma cortada nos gastos ou fazer uma refeição rápida, essas opções são válidas.

Dollar Menu do McDonalds. No dia em que esse post estava feito, qualquer lanche desses podia ser adquirido por apenas 1 dólar. Fonte: Print da página www.mcdonalds.com

Entre as redes de restaurantes mais arrumadinhos e com serviço na mesa, em Nova York tem Hard Rock Café, Bubba Gump, Red Lobster, Cheesecake Factory, TGI Fridays, Olive Garden, Applebee’s, Outback, entre outros. Gente, esses restaurantes são todos muito bons e são kids friendly (cadeirão, banheiros com trocador, kids menu, giz de cera, papel para colorir ou outros brinquedinhos). Amamos muito!

Bela escolhendo o prato no kids menu do Red Lobster
Pratão com camarões, caranguejo e lagosta, no Red Lobster
Red Lobster

Podemos destacar, entre os pratos “típicos” de Nova York mais famosos, o sanduíche de pastrami, a pizza (NY style), o bagel, o hot dog (NY style, kosher, com carne de vaca), o cheesecake e o Manhattan clam showder. Em outras cidades pelos Estados Unidos e até mesmo aqui em São Paulo é possível ler nos cardápios algum desses pratos ser anunciado como “New York Style”, de tão famosas que são as versões originais nova-iorquinas.

As vitrines testadoras de NYC: torta de morango

Na Big Apple há restaurantes para todos os bolsos e gostos. Você pode escolher entre gastar uma pequena fortuna em algum restaurante sofisticado que serve aquele prato todo montadinho, bem apresentado, “enfeitado com folhinhas”, fazer uma refeição rápida com poucos dólares em algum foodtruck, aproveitar ofertas de fastfoods, entre tantas outras possibilidades. Ficar sem saber qual lugar escolher para comer é parte do charme dessa cidade.

Vamos falar agora sobre alguns lugares onde comemos e que indicamos muito.

Carmine’s (Times Square) 

No Carmine’s você vai encontrar comida italiana, com pratos muitíssimo bem servidos e preço justo. Um prato inteiro serve bem 4 a 6 pessoas. Por isso, no nosso caso, pedimos meia porção e comemos muito bem. Nossa sugestão? Vá de Meatballs (almôndegas) com espaguete. Elas são enormes e deliciosas. Você observará as mesas ao redor e verá que provavelmente essa foi a opção de muitas outras pessoas. Veja aqui o cardápio de lá com os preços atualizados.

Carmine’s Times Square, um restaurante BBB

Além de tudo, o restaurante é bem agradável e o serviço é muito bom.

Tem como fazer reserva diretamente no site do restaurante: http://www.carminesnyc.com/ .

Comida indiana

Quando morei na Inglaterra, me apaixonei por comida indiana. Tipo… Amor roxo. E por onde passo nesse mundo, se sei que tem comida indiana, tenho que chegar junto para fazer uma boquinha. Por sorte, o meu marido também gosta e a Bela já está entrando na onda. Sim, a comida indiana é bem condimentada (para não falar apimentada), mas a pequena sempre encarou bem, come e ainda fala “Huuummmmmm. Delícia, mamãe”. No início cheguei a refletir se os condimentos fariam bem para ela, fiz umas pesquisas e vi muitas mães e pediatras (principalmente americanas e britânicas) falando que se comida apimentada fizesse mal, o que seria das crianças indianas, mexicanas? Elas estavam certas. A Bela sempre comeu e sempre gostou muito. Nunca passou mal por causa disso. Além do mais, nunca escolhemos os APIMENTADAÇOS (só escolhemos os apimentados) porque nem eu gosto (mas o marido AMA). Em uma escala de uma a cinco pimentinhas, costumamos ficar no de três pimentinhas.

Um dos restaurantes indianos onde comemos, bem simples, pertinho do hotel. Desse, infelizmente, não lembro o nome.

Em Nova York há muitas opções de restaurantes e food trucks indianos. Há até uma área inteira, conhecida como Little India ou Curry Hill, que fica na região da Lexington Avenue, entre a East 26th e a East 31st. Ali você encontrará muitos restaurantes e lojas tipicamente indianos. Fomos ao Dhaba, indicado pelo The New York Times e adoramos. É escurinho, delicioso e, embora não tenha muita cara de restaurante para ir com crianças, os garçons foram extremamente simpáticos e receptivos e se esforçaram para dar atenção à Bela e fazer com que ela ficasse calminha (geralmente ela é tranquila, mas nessa noite ela estava super inquieta, jogando tudo o que via na frente beeeeem longe). Eles até fizeram uma espécie de chocalho grudando com fita adesiva dois copinhos descartáveis cheios de chocolate granulado. Uns amores! Mereceram uma tip bem boa e paga com grande sentimento de gratidão. A comida estava uma delícia e o preço era bom. Sugestão: Chicken Tikka Masala, o meu favorito e também favorito dos britânicos. Fizemos a reserva pelo Open Table (fica a dica desse site, onde você pode fazer reserva para vários restaurantes dos Estados Unidos).

Outro dia, almoçamos comida indiana na rua, em um food truck pertinho do ferry que faz o passeio para a Estátua da Liberdade. Barata e deliciosa. Infelizmente não lembro exatamente em que ponto ele ficava. Mas era esse caminhão das fotos abaixo. Se alguém souber o nome ou reconhecer o lugar pelas fotos, por favor, me avise. Era no Financial District.

Indian Food Truck, no Financial District

 

Comida de rua
Comida indiana na rua

Magnolia Bakery

Como sobremesa, não deixe de provar algum dia o cupcake da Magnolia Bakery, sobre o qual já falei nesse post.

Eataly

O Eataly é tipo um “mercadão” chique italiano em plena Manhattan. Desde que foi inaugurado, em 2010, ele virou sensação/ponto turístico disputadíssimo na cidade. Você vai encontrar coisinhas para comprar e preparar em casa (queijos, frutos do mar, vinhos, pães, massas) e restaurantes que servem a comida feita na hora. Entrando lá, você entenderá a minha dificuldade em descrever se é um conjunto de restaurantes e empórios ou um mercadão arrumado com praça da alimentação, enfim… É um lugar onde você pode viver um pouquinho da Itália.

Eataly
Eataly

O cheiro é uma delícia e tudo o que os olhos alcançam no meio daquela multidão de gente, abre o apetite. Desejamos muito encontrar um espacinho para sentar e comer por ali. Infelizmente não conseguimos. A fome estava grande, a Bela tem horário para papar e, para ser honesta, começamos a ficar um pouco “agoniados” no meio daquela multidão toda. Fugimos para a Union Square, onde comemos em um café.

Vale a visita ao Eataly? Muito. Principalmente se você conseguir comer lá (no geral, as pessoas falam muito bem da comida). Além disso, o Eataly fica pertinho do Flatiron Building, prédio icônico de Nova York e um dos primeiros arranha-céus da cidade.

Comida para bebês

Primeiro, vale deixar claro que em Manhattan não tem aqueles supermercados grandões que estamos acostumados a encontrar nos Estados Unidos. Mas há muitos mercados menores, farmácias e lojas onde você pode comprar comida. A rede Whole Foods Market é muito bacana e lá você encontrará opções de alimentos saudáveis para seus filhos. Muito amor por essa rede, gente <3

Pausa para mamar no Central Park

A Bela tinha um ano quando fomos a NYC e já comia boa parte das coisas que nós comíamos (além de mamar no peito). Então dava para sentar em algum restaurante e dividir o prato com ela ou pedir alguma coisa especial para ela no kids menu. Mas andando com criança, é sempre bom ter suquinho, iogurte, frutas, bolacha, leite, enfim… Umas coisinhas para colocar na mochila e quebrar o galho quando a fome apertar. Vou apresentar aqui algumas possibilidades de lanches bem legais para crianças.

Produtos saudáveis nos mercados da cidade
Olha que coisa linda a organização desse mercado!
Frutas e legumes colorindo lindamente os mercados locais

Naked e similares

Naked é uma espécie de smoothie/suco mais grossinho feito com frutas e sem açúcar. Na parte de trás da garrafinha você pode ver todos os ingredientes que foram usados para prepará-lo. A Bela amou o Naked e sempre andávamos com pelo menos uma garrafinha e um canudo.

São vários sabores de smoothie. Vou colocar aqui, como exemplo, o Red Machine. Dentro de uma garrafinha, há 13 framboesas, 11 morangos, 3 cranberries, 1 e ½ maçã, ¼ de romã, 1/3 de laranja, ½ banana e 7 uvas vermelhas.

Como exemplo, o Naked sabor Red Machine. Fonte: print do site http://www.nakedjuice.com/our-products/juice/red-machine

Entendo que, por ser industrializada, não deve ser tão saudável quanto um suco preparado na hora, com a própria fruta. Mas acredito que seja melhor que outros sucos industrializados que contém muito açúcar, conservante, sabores artificiais e quase nada de fruta dentro. Na minha opinião, quebra bem o galho durante uma viagem.

A marca é comprometida com a questão ambiental e tem alguns selos de sustentabilidade.

Iogurtes, queijos, papinhas e frutas – tudo orgânico

Você ficaria impressionado se visse como essa coisa de alimentos orgânicos cresceu nos Estados Unidos. Percebemos isso em Nova York, em 2013, e mais ainda na Califórnia, em 2014.

A Bela amou o Plum, um iogurte orgânico, especial para bebês, sem adição de açúcar. A embalagem é prática, BPA-free, o bebê suga o iogurte direto dela e só precisa guardar na geladeira depois de aberta. Na própria loja, ele fica nas prateleiras e não na geladeira. Tem uns sabores esquisitos de legumes, como cenoura, ervilha e batata doce, mas também tem com sabores de frutas.

Quanto às papinhas, é óbvio que, mesmo orgânicas, as industrializadas não são a opção mais saudável para os nossos filhos. Eu sei bem que uma papinha gostosa feita em casa é muito melhor. Mas em uma viagem, as industrializadas são bem práticas para uso esporádico. Você se surpreenderá com a variedade de sabores de papinhas orgânicas que existem lá. Elas podem ser encontradas em mercados, farmácias e até em lojas de artigos para bebês, como a Buy Buy Baby.

Nos mercados, pode-se encontrar uma imensa variedade de frutas, inclusive orgânicas. E gente, o que são os morangos daquele país? Enormes e deliciosos!

Ouvi falar que alguns Whole Foods oferecem fruta de graça para crianças em uma área chamada Kids Club. Verifique se o mercado que você está visitando oferece essa possibilidade.

Baby Mum-mum

Os Baby Mum-mums são biscoitinhos de arroz próprios para crianças que estão começando a ingerir alimentos sólidos. Não fazem sujeira e dissolvem fácil (conforme embalagem). Também são orgânicos, sem açúcar, sem conservadores e sem glúten.

Compramos do sabor tradicional e de banana e a Bela amou! Cada porção vem embalada separadamente, o que é muito prático. Essas bolachinhas também servem para manter o bebê “ocupado” em algumas situações. Imagine que você já deu o jantar para a sua filha e agora vai começar a comer com o seu marido. Entrega uma bolachinha de sobremesa e a criança vai ficar ocupada e entretida com a bolachinha por um tempo. Essas bolachinhas também são úteis para coçar a gengiva na fase em que os dentinhos estão nascendo.

A Bela comendo Baby Mum-Mum

Para crianças mais velhas, existe o Toddler Mum-mum, mas nunca provamos esse.

 

Esperamos que tenham gostado do nosso post sobre comida em Nova York. Agora vou indo porque esse post deu uma fome…

 

Você acompanha os outros posts sobre Nova York aqui: Parte 1, Parte 2, Parte 3, Parte 4 e Parte 5.

 

 

Nova York com bebê de um ano (parte 4): Go Yankees!

Estou curtindo muito escrever o relato sobre a nossa ida a Nova York. Cada detalhe que eu lembro desperta em mim um desejo quase incontrolável de voltar para lá hoje mesmo. =)

Nesse post, vamos falar sobre a nossa experiência de assistir a um jogo de baseball no Yankee Stadium.

Yankee Stadium. Créditos: Groupe Canam. Licença http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/

 

Para ver os três primeiros posts sobre Nova York, clique aqui: parte 1, parte 2, parte 3.

Yankee Stadium – jogo de baseball

Tá aqui uma coisa que a gente curte fazer nos Estados Unidos: assistir a alguma partida esportiva.

Os americanos são apaixonados por esportes e costumam torcer pelos times locais como muita paixão e entusiasmo. Os estádios são lindos, bem cuidados e organizados. A estrutura costuma ser sensacional. E o evento em si é um verdadeiro espetáculo (brincadeiras com a plateia, sorteio de brindes, câmera do beijo, homenagens aos veteranos de guerra, músicas da torcida). Telões gigantes de alta definição mostram detalhes da partida e imagens da torcida e das jogadas. É um programa tão bacana, que até quem não gosta de esportes deve gostar da experiência. Se esse é o seu caso, dê uma chance a essa atividade e assista algum jogo em alguma cidade americana (de preferência algum dos esportes favoritos americanos – baseball, futebol americano, hockey ou basquete).

Yankee Stadium
Yankee Stadium

 

Área externa do Yankee Stadium – Baby Ruth Plaza

No nosso caso, gostamos muito de esportes. A ESPN é um dos canais mais assistidos na TV lá em casa, principalmente pelo maridão. Então, quando sempre que decidimos viajar, uma das primeiras coisas que faço é ver qual temporada está rolando e qual jogo podemos aproveitar para assistir no estádio. Para isso, vejo o site oficial do time da cidade. No caso, estávamos em Nova York no mês de maio e estava rolando a temporada de baseball. Obaaaa!!! Quer programa melhor que assistir a um jogo dos NY Yankees?

No site há um calendário bem organizado dos jogos da temporada com links direto para o site de venda de ingresso. No caso dos Yankees, o Ticketmaster. Vimos que os Yankees jogariam em casa contra os Oakland Athletics. Compramos por US$ 81,40 o par de ingressos. Crianças de até três anos, com menos de 76,2 centímetros (30 inches) não pagam, desde que sentem no colo de um adulto.

Estádio lotado
Oakland Athletics
NY Yankees
Go Yankees!

Dica: quanto maior a antecedência para a compra do ingresso, melhor, pois os preços vão subindo conforme a data vai se aproximando. Ah! Nunca testamos deixar para comprar na porta com as pessoas que fazer revenda, pois nunca quisemos arriscar pagar muito mais caro ou a possibilidade de os ingressos já terem se esgotado. Se alguém tiver alguma experiência com compra de ingressos lá na hora e quiser compartilhar, sua participação será muito bem vinda.

Sentamos na Section 420A, Row 7 (fila), Seats 23 e 24 (cadeiras) e tivemos essa vista do estádio:

Yankee Stadium, 420A, Row 7, Seats 23 e 24

 

Yankee Stadium, 420A, Row 7, Seats 23 e 24

Existiam outros ingressos muito mais caros e outros um pouco mais baratos, mas achamos que pagamos um preço razoável (sim, os ingressos costumam ser caros) para uma localização que consideramos muito boa. Ficamos por trás da primeira base, de frente para um telão imenso, na sombra. Essa coisa da sombra é uma faca de dois gumes. Por um momento, por causa do frio que estava fazendo no estádio, desejamos imensamente estar sentados no sol. Por outro lado, sentar ali nos garantia abrigo no caso de uma eventual chuva. No final, fez um dia lindo e ensolarado e deu para curtir bem, porém, fica a dica: sigam com roupas bem preparadas para o frio, mesmo que esteja com cara de lindo dia de primavera.

Fomos até o estádio, que fica no Bronx, de metrô. A linha 4 tem uma estação chamada Yankee Stadium, que para ali pertinho. O metrô certamente estará cheio de torcedores do Yankees e é só seguir o fluxo de pessoas para chegar até lá.

Bela no Yankee Stadium

No estádio, não fugimos à tradição e fomos de hot dog com cerveja. Para a Bela, chocolate quente. Também levei umas bolachinhas de bebê, smoothies, suquinhos e iogurtes na mochila. A comidinha dela entrou no estádio, sem problema. Ninguém nem questionou.

Nessa época a Bela ainda mamava no peito. Nos Estados Unidos, sempre procuramos ser discretos quanto à amamentação, pois, culturalmente, os americanos não estão tão acostumados a ver um bebê mamando no peito (infelizmente). Daí discretamente, cobrindo com um paninho a Bela deu umas bebericadas tranquilamente. Ninguém nem percebeu.

Família pronta para o jogo
Torcedora Bela

Também dá para levar o carrinho para o Yankee Stadium, mas quando chegar ao seu assento, é preciso dobrá-lo e deixar guardadinho em um canto (os seguranças orientam direitinho).

Antes de ir, consultei o SAC dos Yankees sobre o carrinho, pois aqui em São Paulo não pode entrar nos estádios com ele. Conversei com um funcionário de lá pelo chat do site. Foi super rápido e o atendente foi muito solícito e simpático. Falou que nós adoraríamos o jogo, que ia ser uma experiência muito bacana para brasileiros, explicou que muita gente leva bebês pequeninos, se colocou à nossa disposição e ainda encerrou com um “Go Yankees!”.

Olha o balão que a Bela ganhou da funcionária do estádio!
Go Yankees!

Achei o atendimento pré-jogo muito bom e não pude deixar de lembrar do dia em que precisei saber se poderia entrar no Estádio do Morumbi com carrinho e ninguém sabia informar direito. Me transferiram da bilheteria para a administração, da administração para algum fulano que estava organizando a partida, depois me deram o telefone da Polícia Militar e disseram que eles que sabem responder, pois eles que fazem a revista na entrada do estádio. Liguei para a polícia e fui transferida para um monte de gente até finalmente descobrir que não, não pode levar o carrinho para o Morumbi.

Durante o jogo, a Bela se comportou como uma lady. Revezou o meu colo com o do pai, dormiu, torceu, comeu, assistiu o jogo e a torcida, distribuiu simpatia.

A Bela dormiu!

No estádio, uma ótima estrutura e muitas lojas com produtos do time. Gustavo comprou um jersey que eles personalizaram na hora com o sobrenome dele, compramos bonés para ele e para a Bela e eu comprei uma camiseta. Muita gente simpática cruzou o nosso caminho. Uma senhora deu para a Bela um anel dos Yankees e uma outra deu a ela um balão prateado em formato de estrela, inflado com gás hélio.

Uma partida de baseball costuma ser longa. É um programa para um turno inteiro. Depois do jogo, comemos no Hard Rock Café do próprio estádio. No Hard Rock, aquele atendimento que tanto apreciamos nos restaurantes tipicamente americanos. Oferecem cadeirão para as crianças, giz de cera e papel para colorir, menu infantil, banheiro com trocador, hambúrgueres de primeira, refrigerante com refil e porções bem servidas… Tudo o que uma família viajante precisa.

Hard Rock Cafe Yankee Stadium

Para quem ficou interessado, os outros times de Nova York são:

New York Yankees e New York Mets (baseball)

New York Giants e New York Jets (futebol americano)

New York Rangers, New York Islanders e New Jersey Devils (hockey no gelo)

New York Knicks e Brooklyn Nets (basquete)

Nossa conclusão é que é um programa que vale muito a pena. É muito tranquilo para ir com criança e é bom que dá uma quebrada naquela coisa de ficar batendo perna pela cidade.

Nova York com bebê de um ano (parte 1)

Muita gente, quando pensa em Nova York, imagina logo um lugar caótico, cheio de gente apressada para todos os lados e possivelmente inadequado para viagens com bebês. Que nada! Nova York é uma cidade deliciosa e muito apropriada para crianças, super kids/baby friendly.

Bela treinando a caminhada no Central Park

Essa foi a primeira viagem internacional da nossa pequena e foi uma delícia desbravar essa cidade junto com ela. A Bela já era e continua sendo uma excelente companheirinha de viagens.

É importante deixar claro que o ritmo da viagem, quando se está com uma criança de um ano, é outro. Não adianta achar que você vai conhecer a cidade inteira em uma semana. Não adianta querer fazer três programas em uma manhã. Você não vai poder pegar um sanduíche e sair comendo na rua até chegar ao próximo destino. Esqueça essas viagens “de louco”. Viajar com crianças exige mais planejamento e um ritmo um pouco mais lento. Você precisa fazer pausas para troca de fraldas, para as refeições, para amamentar, para dar alguns momentos de atenção exclusiva ao seu bebê e, no meu caso, em um ou outro momento eu escolho um programa que seja totalmente voltado para a minha filha. Quanto mais ela cresce e consegue aproveitar mais de cada destino, mais os programas vão se voltando para ela. Mesmo quando escolhemos coisas “mais nossas”, a Bela ainda consegue aproveitar e se divertir.

Bela no jogo dos NY Yankees

E quer saber o que aprendemos viajando com a nossa filha? Que viajar em família é MUITO mais gostoso. Que tudo junto com ela fica mais bonito e mais divertido. Que programas “de criança” também são divertidos para os adultos. Que aquele novo ritmo imposto aos passeios faz com que a gente “viva” muito mais a cidade. E que se a gente conseguir fazer 40% do que havia planejado no início, já é lucro. O que não deu para fazer nessa viagem, fica para a próxima. Sem cobranças, sem obrigações, sem necessidade de “ver tudo”. É até bom viajar assim, porque sempre teremos algo novo para conhecer quando voltarmos.

Família no Central Park
Família no Central Park

Hospedagem

Passamos uma semana em Nova York e decidimos ficar hospedados no Doubletree by Hilton Times Square South, pertinho da Macy’s e da estação de metrô e ônibus Penn Station, do Madison Square Garden e do Empire State.

Pegamos uma promoção boa na Decolar.com (já compramos com eles algumas vezes e nunca tivemos problema), o hotel era bem localizado, bem avaliado pelo TripAdvisor, perto da área turística, mas um pouquinho afastado da muvuca e aceitou receber nossas encomendas compradas antecipadamente pela internet (bingo!). E para incrementar a estada lá, eles sempre recebiam a gente com cookies quentinhos deliciosos. A Bela se esbaldava!

Cookie grátis e quentinho!
Cookie grátis e quentinho!

Ficamos em um quarto com duas camas queen size, que juntamos e… voilà: fizemos uma mega cama onde dormimos confortavelmente eu, meu marido e a nossa filha e ainda criamos espaço extra para caminhar pelo quarto, deixar o carrinho e ir acumulando as comprinhas. Quem conhece Nova York, sabe que qualquer espacinho extra que exista no quarto é valioso.

Uma coisa importante sobre Nova York: o sistema de transporte público é excelente, o trânsito é caótico e os estacionamentos são caríssimos. Traduzindo: você não precisará de carro.

Bela dando um rolé de metrô
Bela dando um rolé de metrô

Outra coisa importante: as calçadas são lisinhas e retas. Você vai conseguir circular com o carrinho de bebê tranquilamente, MAS, você nem sempre dará de cara com uma entrada de metrô acessível. Às vezes é preciso rodar muito para encontrar a entrada adaptada com elevador. Outras vezes você precisará tirar o bebê do carrinho e levá-lo no colo enquanto seu marido carrega o carrinho no braço escada abaixo.

Uma dica: depois de um tempo, a gente encheu o saco de andar de metrô (andando sempre por baixo, não dá para ir vendo a cidade) e passou a pegar os ônibus double deck (já que a gente tinha comprado o passe para quatro dias e vou falar sobre isso logo abaixo), pois era mais fácil subir com o carrinho e ainda podíamos ouvir as explicações do guia sobre o entorno.

Soneca na Times Square
Soneca na Times Square

Do nosso hotel, também dava para fazer boa parte da cidade a pé, curtindo cada cantinho, parando e entrando nas lojas, cafés, confeitarias… Essa cidade é uma delícia!

Tour guiado

Embora seja mais a nossa cara sair explorando a cidade e visitando os lugares por conta própria, compramos o pacote Shop, Hop and Top (4 day value pack) da City Sights NY. Valeu a pena, pois pudemos ter uma noção geral da cidade e dos lugares que mais nos interessavam, nos divertimos com as piadas do guia que tivemos a sorte de conhecer e ainda tivemos acesso a outros passeios.

Foto: Daniel Bonatto
Foto: Daniel Bonatto

Vou detalhar melhor. Esse pacote custa US$ 114 por pessoa (crianças com menos de 3 anos não pagam e crianças de 3 a 11 anos pagam US$ 85). Isso te dá direito a 4 dias de passeio guiado nos ônibus doubledeck (com guia falando ao vivo em inglês ou com explicações gravadas em outros idiomas, incluindo português). Você pode subir e descer no ponto que quiser e quantas vezes quiser (hop on hop off) nesse período de 4 dias. São inúmeros pontos espalhados por toda a cidade e raramente você terá que esperar mais de 10 minutos no ponto (geralmente chegávamos ao ponto e já podíamos avistar o próximo ônibus a poucas quadras dali). Os tours incluem o Downtown Tour, Uptown & Harlem Tour, Bronx Tour, Night Tour e o Brooklyn Tour. Você terá direito a entrada gratuita no Museu da Cidade de Nova York, passeio de ferry até o entorno da Estátua da Liberdade, escolha entre topo do Empire State Building ou topo do Rockefeller Center (Top of the Rock, o nosso escolhido) e viagem de ida e volta de ônibus turístico para o Woodbury Common Premium Outlets.

Várias empresas oferecem esse tipo de passeio e com pacotes variados. Outra empresa bastante famosa é a GrayLine.

Nos próximos posts, vamos detalhar um pouquinho sobre os passeios que fizemos nesses sete dias, incluindo: vista do topo do Rockefeller Center (Top of the Rock), Central Park, Eataly, compras no Woodbury, Times Square, Fifth Avenue, Broadway, Macys, Estátua da Liberdade, cupcake da Magnólia, Nintendo World, jogo dos NY Yankees, lojas de brinquedos, restaurantes que indicamos, comida de rua, comida especial para bebês e muito mais.