Go kids go! 14 dicas para curtir um evento esportivo no estádio com crianças

Uma das coisas mais legais sobre viajar é poder vivenciar a cultura e os costumes do lugar visitado. Se você tem planos de visitar os Estados Unidos, encaixar uma partida esportiva no seu roteiro pode ser uma boa oportunidade para interagir com a comunidade local em um programa cheio de diversão. Esse tipo de passeio está entre os favoritos dos americanos, que são, em sua maioria, apaixonados por esportes e torcedores fervorosos dos times de suas regiões. Além disso, parar para ver um jogo é uma boa oportunidade para sentar umas horinhas e descansar as pernas, muitas vezes exaustas das caminhadas puxadas que muitas viagens demandam.

Isabela e Felipe na área infantil do Fenway Park, Boston

Antes de continuar esse post, queria dizer que esse texto foi publicado originalmente na Revista Viagens com Filhos. A revista pode ser baixada gratuitamente neste link e está cheinha de dicas super legais de mais de 30 famílias blogueiras viajantes. Confiram lá! Agora voltando às dicas…

Família Pezinho na Estrada no Century Link Field, Casa dos Seahawks2
Família Pezinho na Estrada no Century Link Field, Casa dos Seahawks

Mas dá para levar criança para o jogo?

Os estádios dos Estados Unidos são lindos, bem cuidados, organizados e possuem boa estrutura. Muitos inclusive possuem área infantil, playground, sessões especiais na arquibancada destinadas a famílias com crianças pequenas, banheiros com trocadores, entre outros mimos para os pequenos.

Isabela e Felipe na área infantil do Yankee Stadium, NY
Isabela e Felipe na área infantil do Yankee Stadium, NY

Já o evento em si, costuma ser um verdadeiro espetáculo, com muitas brincadeiras com a plateia, sorteios de brindes, câmera do beijo, homenagens aos veteranos de guerra, fogos de artifício, músicas da torcida, apresentações de cheerleaders. Telões gigantes de alta definição mostram detalhes das jogadas, replays e imagens da torcida. É um programa tão bacana, que até quem não gosta de esportes deve curtir a experiência.

Staples Center, casa dos Los Angeles Lakers
Staples Center, casa dos Los Angeles Lakers

E as crianças curtem? Sim! Muito! Elas cansam depois de um tempo? Talvez cansem, assim como o fazem em diversos outros tipos de atividade. Mas nada que uma voltinha pelo estádio ou um passeio para comprar um lanche não possam amenizar. Se o cansaço for grande, dá para dormir ali mesmo, no colinho dos pais.

A Bela, de cheerleader dos Green Bay Packers, no Lambeau Field
A Bela, de cheerleader dos Green Bay Packers, no Lambeau Field

Dicas para se dar bem no jogo

Honda Center, casa dos Anaheim Ducks
Honda Center, casa dos Anaheim Ducks

1) Dê preferência para algum dos esportes favoritos dos americanos, como baseball, futebol americano, hockey ou basquete. Para saber quais times o local que você está visitando tem, visite os sites das ligas esportivas. As principais são a MLB (Major League Baseball), a NFL (National Football League), a NBA (National Basketball Association) e a NHL (National Hockey League).

Família Pezinho na Estrada no Fenway Park, estádio dos Boston Red Sox
Família Pezinho na Estrada no Fenway Park, estádio dos Boston Red Sox

2) Se a cidade que você vai visitar não possui time nas ligas principais ou se não está na temporada do seu esporte favorito, não desanime. Muitas cidades têm times locais universitários ou mesmo de escola, cujos jogos são eventos bem animados e com ingressos a preços bem mais acessíveis que os das ligas principais.

3) Alguns times têm entrada gratuita para crianças de até três anos, outros cobram ingresso a partir do momento em que a criança atinge determinado comprimento e há até os que cobram ingressos para qualquer pessoa, mesmo que seja apenas um bebê. Para saber as regras no estádio que você pretende visitar, acesse o site do time.

Com o carrinho de bebê, no Yankee Stadium
Com o carrinho de bebê, no Yankee Stadium

4) Em determinados estádios, é possível entrar com carrinho de bebê. Outros (como todos os da NFL, por exemplo), não permitem. Sempre consulte as normas do estádio que você vai visitar.

Nessa foto do pós-jogo, o Gustavo está com uma das nossas NFL Tote Bags, bolsa transparente, de 30 cm x 30 cm. Observe que os outros torcedores carregam bolsas parecidas.
Nessa foto do pós-jogo, o Gustavo está com uma das nossas NFL Tote Bags, bolsa transparente, de 30 cm x 30 cm. Observe que os outros torcedores carregam bolsas parecidas.

5) Informe-se sobre o que pode ser levado junto com você ao estádio. Alguns lugares têm regras bem restritas quanto a isso. Os estádios da NFL até exigem que a sua bolsa seja transparente e tenha dimensões máximas bem específicas (30cm x 15cm x 30cm). Essas bolsas podem ser facilmente encontradas na internet para venda (procure NFL tote bag). Action cameras como a GoPro, laptops e tablets são itens proibidos na maioria dos estádios.

Mamadeira no estádio dos Seahawks
Mamadeira no estádio dos Seahawks

6) Agora que você já sabe o que pode ou não levar ao estádio, não esqueça das coisas mais básicas para as crianças. Mamadeiras, leite, fraldas, lenços umedecidos, e mesmo em dias que parecem mais quentes, vá preparado para o frio. A temperatura pode mudar bruscamente e no ambiente aberto do estádio, com vento, costuma ser mais fresquinho.

Isabela torcendo MUITO pelos Seattle Seahawks
Isabela torcendo MUITO pelos Seattle Seahawks

7) Se o jogo que você pretende assistir é mais disputado, compre os ingressos com antecedência, pois você pode acabar não conseguindo comprar ou tendo que comprar ingressos mais caros. Se não for um jogo tão concorrido, vale ir acompanhando os sites de venda de ingressos e esperar para tentar alguma barganha (isso se você tiver a frieza para esperar). Algumas pessoas até conseguem comprar os ingressos na hora, na porta do estádio, por preços mais acessíveis. Mas só faça isso se você não fizer tanta questão assim do jogo, pois se não der sorte, pode terminar não conseguindo entradas.

Pipoquinha no Honda Center, Anaheim

8) Além dos sites oficiais de vendas de ingressos, que geralmente têm link na página oficial de cada time, outros sites como o StubHub também disponibilizam ingressos para a venda. Esses são geralmente ingressos disponibilizados por torcedores que têm ingressos da temporada e que por algum motivo não assistirão àquele jogo específico. Vale à pena dar uma olhada nesses sites e tentar conseguir lugares melhores por um preço mais baixo.

Yankee Stadium, em Nova York

9) Para saber se os assentos que você pretende comprar são bons, com visão desobstruída e em boa localização, coloque no Google o nome do estádio e do setor e os números da fila e do assento (por exemplo: Fenway Park, Grandstand 24, row 11, seat 3, daí você terá acesso a uma foto feita no local ou em algum local próximo ao assento pretendido). Essas imagens são disponibilizadas por sites agrupam fotos feitas por torcedores das vistas que eles tiveram em seus assentos. “A View from my Seat”, “Seat Geek” e “Rate your Seat” são exemplos de sites assim.

Família Pezinho na Estrada no Century Link Field, Casa dos Seahawks
Família Pezinho na Estrada no Century Link Field, Casa dos Seahawks

10) Se quiser entrar no clima e virar um verdadeiro torcedor, vestindo roupas do time local, você pode economizar comprando camisetas no Walmart ou em algum TJMaxx da cidade. Muitas vezes essas lojas têm produtos licenciados pelo time e que custam bem menos que os que são vendidos dentro dos estádios.

A Bela curtindo o jogo dos Packers na chuva
A Bela curtindo o jogo dos Packers na chuva

11) Programe-se para chegar cedo ao estádio e informe-se sobre a melhor forma de transporte até lá. Os estacionamentos nos arredores dos estádios em dias de jogo geralmente custam uma fortuna (às vezes até mais que o valor do ingresso). Alguns times têm transporte gratuito partindo de pontos estratégicos da cidade. Outros têm transporte público disponível até os arredores do estádio. Planejando bem e com antecedência, você evita surpresas e gastos desnecessários.

Com as camisetas dos Lakers que ganhamos de brinde na entrada do jogo.
Com as camisetas dos Lakers que ganhamos de brinde na entrada do jogo.

12) Alguns jogos têm ações promocionais com distribuição de presentes para os primeiros torcedores que entrarem no estádio. Foi assim que ganhamos camisetas dos Los Angeles Lakers. Assim, se você chegar cedo, além de evitar se estressar à toa, ainda pode ganhar sair com alguma lembrança bacana da partida.

As crianças ganharam botons comemorativos por estarem visitando o Fenway Park pela primeira vez. Boston.
As crianças ganharam botons comemorativos por estarem visitando o Fenway Park pela primeira vez. Boston.

13) Fique atento às brincadeiras do telão e saiba sempre quais os números dos seus assentos. Muitos sorteios acontecem ao longo dos jogos e às vezes a premiação é válida para um assento específico, ou mesmo toda uma sessão ou fila do estádio.

Jogo dos Chicago Cubs, no Wrigley Field, em Chicago

14) Quando estiver no estádio, aproveite para viver a experiência completa. Hot dog, cerveja, pipoca… Essa é a oportunidade de se divertir, curtir a família e, por que não, de se sentir como se estivesse em um filme?

Gustavo, Isabela e Felipe na área infantil do Fenway Park, casa dos Boston Red Sox

Dica bônus – Um upgrade desses, bixo…

Na nossa última viagem aos Estados Unidos, em julho deste ano, compramos ingressos para assistir a uma partida de baseball dos Boston Red Sox, no Fenway Park. Com o dólar nas alturas, terminamos escolhendo assentos mais baratos, lá no fundão.

O mês era julho, estava muito quente, beirando 40 graus. Como o estádio é super antigo, o ar não circula muito bem ali naquela parte coberta, então estávamos quase derretendo de calor.

Do nada, veio um funcionário do estádio e perguntou quantas pessoas estavam conosco. Respondi que éramos quatro e ele falou: “Venham comigo”. Não entendi o que estava acontecendo. Pensei logo que ele podia estar nos confundindo com alguém, daí um torcedor que estava ao nosso lado falou: “Vão com ele! Vocês estão prestes a ganhar os melhores assentos!”

Nem acreditei. Catamos as mochilas, as crianças e partimos com o funcionário. Ele nos colocou em uma fileira cujos ingressos custam algo em torno de 400 dólares para cada pessoa, bem atrás do rebatedor. Foi incrível! Era como se fosse a primeira classe do estádio. Lá as cadeiras eram mais espaçosas e confortáveis, corria um vento fresquinho, tinha espaço para guardarmos nossas coisas, não precisávamos ficar levantando o tempo todo para dar passagem para os torcedores que queriam passar para comprar lanche ou ir ao banheiro porque a fileira era só para quatro pessoas (uma fileira inteirinha só nossa!). E a vista… Que vista! Foi uma das experiências mais incríveis que já tivemos em um jogo nos Estados Unidos.

Depois descobrimos que aqueles assentos ali atrás do rebatedor nunca devem ficar vazios por muito tempo, pois a televisão filma ali o tempo todo. Então quando alguma cadeira não foi vendida, ou o dono dela não vem ou vai embora antes do jogo acabar (sim, algumas pessoas têm cadeira cativa para toda a temporada), os funcionários escolhem pessoas do fundão para ocuparem aqueles lugares. Por sorte, nesse dia nós fomos brindados com esse presentão! Então a dica que dou é… Para aumentar a sua chance de ganhar um upgrade assim, opte por assentos que fiquem nas proximidades do rebatedor, mesmo que fiquem lá no fundão.

CenturyLink Field, estádio dos Seattle Seahawks
Hot dog no estádio dos Seahawks
Hot dog no estádio dos Seahawks
O Felipe na área infantil do Yankee Stadium
O Felipe embaixo de uma luva de baseball gigante, na área infantil do Yankee Stadium, no Bronx, NY
O Felipe embaixo de uma luva de baseball gigante, na área infantil do Yankee Stadium, no Bronx, NY
Isabela entrando na área infantil do Yankee Stadium, NY
Isabela entrando na área infantil do Yankee Stadium, NY
Isabela e Felipe na área infantil do Fenway Park, casa dos Boston Red Sox
Artista faz esculturas de bexiga na área infantil do Fenway Park, estádio dos Boston Red Sox
Artista faz esculturas de bexiga na área infantil do Fenway Park, estádio dos Boston Red Sox
Família Pezinho na Estrada no Yankee Stadium, Bronx, NY
Família Pezinho na Estrada no Yankee Stadium, Bronx, NY

___________________________________________________________________________
Usou alguma dica do nosso blog? Conta como foi! Gostamos muito de receber o retorno dos nossos leitores. Ficamos felizes quando sabemos que nossas dicas foram úteis nas viagens de outras famílias!
___________________________________________________________________________
Siga o Pezinho na Estrada nas redes sociais: Facebook e Instagram.
___________________________________________________________________________
Já reservou o seu hotel? Nós somos parceiros do Booking. Quando você faz a sua reserva usando o nosso link, nós ganhamos uma pequena comissão que nos ajuda na manutenção do blog e você não paga nada a mais por isso.
Booking.com

Bill Baggs Cape Florida State Park: lugar perfeito para curtir a família, pertinho de Miami

Que tal dar um tempinho da badalação em Miami Beach e esticar até um parque que reúne praia, tranquilidade, área preservada e estrutura de primeiro mundo? O Bill Baggs Cape Florida State Park, uma unidade de conservação localizada na Key Biscayne, fica a uns 40 minutos de Miami Beach e tem tudo isso.

Ele fica bem nessa pontinha aqui do condado de Miami-Dade. Olha só que delícia!

O parque é nesse pontinho vermelho. Fonte: Google Maps

 

E se você acha que 40 minutos é muito tempo de deslocamento para ver praia (que você já tem em Miami Beach), vou te dar mais um empurrãozinho. O caminho até lá é uma graça. Você vai passar por uma ponte extensa com vista de tirar o fôlego da cidade de Miami e arredores, marinas que são “coisa de cinema”, campo de golfe e condomínios super charmosos e organizados da Vila de Key Biscayne (Village of Key Biscayne).

 

Vista para Miami
Marina, no caminho para o parque

E se tudo isso não for suficiente, enfatizo que a praia do parque é considerada a 7ª melhor dos Estados Unidos pelo ranking do Dr. Beach, no qual concorrem inclusive praias do Havaí! A água do mar é azul e transparente, a vegetação é preservada e é possível observar animais em seu habitat natural: peixes-boi, guaxinins, répteis, pássaros… Quando fomos, a água não estava tão clara porque o dia estava nublado, então não conseguimos ver peixe-boi, mas há vários relatos na internet de pessoas que viram. Por outro lado, conseguimos ver esquilinhos e um guaxinim! A Bela ficou encantada!

A Bela tentando chamar a atenção de um esquilinho
Encontramos um guaxinim

Além de curtir a própria praia, há diversas opções de atividades para praticar por lá. Há estrutura para camping, piquenique, pesca, playground, aluguel de bicicletas, dois restaurantes, chuveiros, banheiros completos, área para atracar o barco e dormir (camping boat), canoeing e caiaque, aluguel de cadeiras de praia e guarda-sóis, trilhas e passeios guiados.

Caminho até a praia adaptado para cadeirantes / carrinhos de bebê
Praia do Bill Baggs State Park
Em frente ao Boater’s Grill

Uma das coisas que nos chamou atenção foi o fato de o parque ser todo acessível para cadeirantes / carrinhos de bebê. Até o caminho para a areia da praia tem uma adaptação bem bacana.

Uma das inúmeras áreas destinadas à pesca

 

Caminho adaptado para cadeirantes e carrinhos de bebê
Passeio pelo Bill Baggs State Park

Veja nesse link a lista completa de atividades, regras de uso e preços. 

Dentro do parque, fica um farol construído em 1825 (reconstruído em 1846), que é a construção mais antiga ainda existente no Condado de Miami-Dade. Os visitantes podem subir até o topo do farol e ter uma vista deslumbrante do parque e do entorno.

Família Pezinho na Estrada no Bill Baggs Cape Florida State Park
O farol

Para entrar no parque, é necessário pagar uma taxa de 8 dólares por carro (2 a 8 pessoas). Na entrada eles têm um “cartaz” feito a mão pedindo que o pagamento seja feito com notas de 1, 5 ou 10 dólares, “por favor”. Se estiver sozinho no carro, a taxa é de 4 dólares. Pedestres, ciclistas e passageiros extras pagam 2 dólares cada. O Bill Baggs abre todos os dias do ano às 8 horas e fecha “quando o sol se põe”. Confira aqui se essas e outras informações .

Como falei lá em cima, no dia em que fomos ao Bill Baggs, o céu estava nublado, o que nos impediu de curtir a praia. Decidimos, então, alugar uma bicicleta e percorremos o caminho pavimentado de cerca de 1,5 milha (pouco mais de 2,4 km) pelo parque, fazendo paradas estratégicas para apreciar a vista a partir dos píeres destinados à pesca.

Passeio de bike
A Bela e o papai tentam encontrar um peixe-boi passeando por ali

Almoçamos no Boater’s Grill, um restaurante simples, mas acolhedor e com vista fantástica do mar e dos barcos atracados no parque. Parece ser um restaurante para “boaters” mesmo, pois eles até fornecem o endereço em coordenadas, para quem vai chegar lá de barco. Pena que começou a chover e eles tiveram que baixar os toldos transparentes, que atrapalham um pouco a vista. Em um dia ensolarado aquilo ali deve ser uma delícia, inclusive nas mesas que ficam na parte externa do restaurante.

Um peixinho frito para começar – Boater’s Grill

Cardápio do Boater’s Grill – ficou um pouco fora de foco, mas dá para ter uma ideia do que servem e dos preços
Cerveja Presidente, da República Dominicana – para recordar a nossa lua de mel

O outro restaurante do parque se chama Lighthouse Cafe e pertence ao mesmo grupo que o Boater’s Grill: http://www.lighthouserestaurants.com/ .

The Lighthouse Cafe
The Lighthouse Cafe

Nosso balanço geral é que o passeio é uma delícia e valeu muito a pena, mesmo com o dia nublado. Se o sol decidir aparecer, então, não perca por nada (veja aqui fotos do parque em dia ensolarado)!

Para chegar lá, coloque no GPS: 1200 Crandon Blvd. A cidade é Key Biscayne, Flórida, CEP 33149.

Detalhe: tínhamos reservado essa manhã para o Miami Children’s Museum. Como estava nublado, era o momento perfeito para uma atividade indoor. Mas quando chegamos ao museu, demos de cara com a porta. Estava fechadíssimo! Ia acontecer um evento beneficente lá e não havia nada informando no site! Fiquei um pouco desapontada, pois as coisas nos Estados Unidos costumam ser organizadíssimas e podemos confiar nas informações de horário de funcionamento do site. Enfim… O museu ficou para a próxima e terminamos vivendo a experiência deliciosa do Bill Baggs. Foi ótimo! Amamos passeios ao ar livre.

Depois que saímos do parque, a chuva engrossou e olha só o que pegamos no caminho de Miami para Cocoa Beach:

Nos próximos posts, acompanhe a nossa viagem por Cocoa Beach e Cabo Canaveral.

 

Bubba Gump Shrimp Co.: para comer bem e lembrar do “Forrest, Forrest Gump”

Quem não se emocionou assistindo ao Forrest Gump contando a história da sua vida, sentado em um banquinho no ponto de ônibus? Eu me emocionei MUITO e continuo me emocionando com esse filme indicado a 13 Oscar e ganhador de 6. Já assisti mais de dez vezes e, se eu estiver zapeando e der de cara com ele, não consigo mudar para outro canal. Toda vez que assisto, choro litros! Forrest Gump é tão parte das nossas vidas, que a canção original, composta por Alan Silvestri, tocou no nosso casamento durante a entrada da minha irmã e da daminha.

Forrest Gump, um dos maiores filmes de todos os tempos. Créditos do cartaz: Paramount Pictures

Imagine agora um restaurante totalmente inspirado em Forrest Gump: O Contador de Histórias. Melhor ainda: imagine que a especialidade do restaurante é camarão! Gostou da ideia? Então você precisa conhecer o Bubba Gump Shrimp Co., uma cadeia que conta atualmente com 40 restaurantes presentes nos Estados Unidos, México, Malásia, Londres, Hong Kong, Indonésia e Filipinas.

No filme, a empresa Bubba Gump Shrimp Co. foi fundada por Forrest em homenagem ao seu amigo Bubba, morto na guerra do Vietnã. Enquanto serviram juntos na guerra, Bubba não parava um segundo de falar sobre os camarões que sua mãe preparava. O nome da companhia é uma fusão dos nomes dos dois amigos. O negócio dá certo e é responsável pelo sucesso do protagonista no mundo dos negócios.

Bubba e Gump tornaram-se amigos quando serviram ao Exército. Créditos: Paramount Pictures

Na vida real, encontramos no menu do restaurante Bubba Gump principalmente pratos à base de camarão e frutos do mar, mas eles também servem pratos do sul dos Estados Unidos (já que Forrest era do Alabama) e da culinária cajun.

A culinária cajun – criada na Louisiana (também estado do sul) pelos descendentes colonos de origem francesa expulsos da Acadie, no leste do Canadá – está intimamente conectada às tradições culinárias francesas e espanholas trazidas pelos colonos. Cebola, aipo e pimentão, pimenta vermelha, orégano, páprica e alho estão entre os ingredientes que marcam os pratos dessa cozinha. Nos Estados Unidos, é muito comum encontrar pratos cajun (frango, arroz, frutos do mar…). Um bem famoso é o Jambalaya, uma espécie de “paella” da Louisiana e que está no cardápio do Bubba Gump.

Os nomes dos pratos no cardápio remetem a personagens e acontecimentos do filme: “Run Across America Sampler”, “Jenny’s Catch”, “Lt. Dan’s Surf & Turf”, “Mama’s Southern Fried Chicken”, “Forrest’s Seafood Fiest”, “Bubba’s After the Storm ‘Bucket of Boat Trash’”… Eles também têm um menu especial sem glúten.

O restaurante, totalmente kid-friendly, tem menu infantil, que vem com giz de cera para colorir. Os nomes dos pratos também remetem a personagens e a apresentação do prato é bem bacana, “old shool”, com o frango frito servido em um “jornal” e gelatina de brinde.

Mama Gump’s Chicken Strips
Cardápio infantil

Clique aqui e veja o menu completo do Bubba Gump.

O menu de bebidas é apresentado em forma de raquete de ping-pong (esporte que o Forrest jogou) e os drinks são deliciosos e criativos. Há várias opções sem álcool. A criançada se esbalda.

A Bela provando o Mango Sparkler (manga, limonada, Sprite e suco de laranja), mas ela preferiu ficar na limonada com mirtilo mesmo.
A Bela tomando a Louisiana Blue Lemonade, – limonada com mirtilo
CoronaRita – Corona + Marguerita

Na nossa última viagem à Flórida, fomos ao Bubba Gump do Bayside Marketplace (veja mais sobre esse shopping no post anterior). O restaurante tem um ambiente aberto, com mesas sob ombrelones e um espaço fechado com mesas estilo diner americana.

 

Bubba Gump Shrimp Co., Bayside Marketplace, Miami

A decoração, típica de restaurante americano de frutos do mar, é bem agradável. Figurinos usados no filme, fotografias, frases eternizadas pelos personagens prendem a nossa atenção por um bom tempo. Nas mesas, plaquinhas orientam o garçom a respeito da necessidade de serviço (“Run Forrest Run” ou “Stop Forrest Stop”).

Ambiente agradável do Bubba Gump.
Plaquinha para indicar aos garçons se precisa ou não ser servido e menu em forma de raquete.

Como todo bom restaurante temático americano, eles contam com uma boa loja de lembranças tentadoras, principalmente se você tem crianças no grupo. Elas querem comprar tudo!

Lojinha de souvenir
Lojinha de souvenir

Atualmente, o Bubba Gump Shrimp Co. pertence ao grupo Landry’s, do qual também fazem parte o Rusty Pelican, o Rainforest Cafe, o T-Rex Cafe, entre outros restaurantes.

Na nossa opinião, vale muito a pena conhecer o Bubba Gump. A nossa experiência com eles é de comida, atendimento, atenção à criança e ambiente excelentes.

Uma curiosidade off-topic: Em 2000, o ator Chris Pratt era garçom do Bubba Gump de Maui, no Havaí, quando foi descoberto pela diretora Rae Dawn Chong.