Bill Baggs Cape Florida State Park: lugar perfeito para curtir a família, pertinho de Miami

Que tal dar um tempinho da badalação em Miami Beach e esticar até um parque que reúne praia, tranquilidade, área preservada e estrutura de primeiro mundo? O Bill Baggs Cape Florida State Park, uma unidade de conservação localizada na Key Biscayne, fica a uns 40 minutos de Miami Beach e tem tudo isso.

Ele fica bem nessa pontinha aqui do condado de Miami-Dade. Olha só que delícia!

O parque é nesse pontinho vermelho. Fonte: Google Maps

 

E se você acha que 40 minutos é muito tempo de deslocamento para ver praia (que você já tem em Miami Beach), vou te dar mais um empurrãozinho. O caminho até lá é uma graça. Você vai passar por uma ponte extensa com vista de tirar o fôlego da cidade de Miami e arredores, marinas que são “coisa de cinema”, campo de golfe e condomínios super charmosos e organizados da Vila de Key Biscayne (Village of Key Biscayne).

 

Vista para Miami
Marina, no caminho para o parque

E se tudo isso não for suficiente, enfatizo que a praia do parque é considerada a 7ª melhor dos Estados Unidos pelo ranking do Dr. Beach, no qual concorrem inclusive praias do Havaí! A água do mar é azul e transparente, a vegetação é preservada e é possível observar animais em seu habitat natural: peixes-boi, guaxinins, répteis, pássaros… Quando fomos, a água não estava tão clara porque o dia estava nublado, então não conseguimos ver peixe-boi, mas há vários relatos na internet de pessoas que viram. Por outro lado, conseguimos ver esquilinhos e um guaxinim! A Bela ficou encantada!

A Bela tentando chamar a atenção de um esquilinho
Encontramos um guaxinim

Além de curtir a própria praia, há diversas opções de atividades para praticar por lá. Há estrutura para camping, piquenique, pesca, playground, aluguel de bicicletas, dois restaurantes, chuveiros, banheiros completos, área para atracar o barco e dormir (camping boat), canoeing e caiaque, aluguel de cadeiras de praia e guarda-sóis, trilhas e passeios guiados.

Caminho até a praia adaptado para cadeirantes / carrinhos de bebê
Praia do Bill Baggs State Park
Em frente ao Boater’s Grill

Uma das coisas que nos chamou atenção foi o fato de o parque ser todo acessível para cadeirantes / carrinhos de bebê. Até o caminho para a areia da praia tem uma adaptação bem bacana.

Uma das inúmeras áreas destinadas à pesca

 

Caminho adaptado para cadeirantes e carrinhos de bebê
Passeio pelo Bill Baggs State Park

Veja nesse link a lista completa de atividades, regras de uso e preços. 

Dentro do parque, fica um farol construído em 1825 (reconstruído em 1846), que é a construção mais antiga ainda existente no Condado de Miami-Dade. Os visitantes podem subir até o topo do farol e ter uma vista deslumbrante do parque e do entorno.

Família Pezinho na Estrada no Bill Baggs Cape Florida State Park
O farol

Para entrar no parque, é necessário pagar uma taxa de 8 dólares por carro (2 a 8 pessoas). Na entrada eles têm um “cartaz” feito a mão pedindo que o pagamento seja feito com notas de 1, 5 ou 10 dólares, “por favor”. Se estiver sozinho no carro, a taxa é de 4 dólares. Pedestres, ciclistas e passageiros extras pagam 2 dólares cada. O Bill Baggs abre todos os dias do ano às 8 horas e fecha “quando o sol se põe”. Confira aqui se essas e outras informações .

Como falei lá em cima, no dia em que fomos ao Bill Baggs, o céu estava nublado, o que nos impediu de curtir a praia. Decidimos, então, alugar uma bicicleta e percorremos o caminho pavimentado de cerca de 1,5 milha (pouco mais de 2,4 km) pelo parque, fazendo paradas estratégicas para apreciar a vista a partir dos píeres destinados à pesca.

Passeio de bike
A Bela e o papai tentam encontrar um peixe-boi passeando por ali

Almoçamos no Boater’s Grill, um restaurante simples, mas acolhedor e com vista fantástica do mar e dos barcos atracados no parque. Parece ser um restaurante para “boaters” mesmo, pois eles até fornecem o endereço em coordenadas, para quem vai chegar lá de barco. Pena que começou a chover e eles tiveram que baixar os toldos transparentes, que atrapalham um pouco a vista. Em um dia ensolarado aquilo ali deve ser uma delícia, inclusive nas mesas que ficam na parte externa do restaurante.

Um peixinho frito para começar – Boater’s Grill

Cardápio do Boater’s Grill – ficou um pouco fora de foco, mas dá para ter uma ideia do que servem e dos preços
Cerveja Presidente, da República Dominicana – para recordar a nossa lua de mel

O outro restaurante do parque se chama Lighthouse Cafe e pertence ao mesmo grupo que o Boater’s Grill: http://www.lighthouserestaurants.com/ .

The Lighthouse Cafe
The Lighthouse Cafe

Nosso balanço geral é que o passeio é uma delícia e valeu muito a pena, mesmo com o dia nublado. Se o sol decidir aparecer, então, não perca por nada (veja aqui fotos do parque em dia ensolarado)!

Para chegar lá, coloque no GPS: 1200 Crandon Blvd. A cidade é Key Biscayne, Flórida, CEP 33149.

Detalhe: tínhamos reservado essa manhã para o Miami Children’s Museum. Como estava nublado, era o momento perfeito para uma atividade indoor. Mas quando chegamos ao museu, demos de cara com a porta. Estava fechadíssimo! Ia acontecer um evento beneficente lá e não havia nada informando no site! Fiquei um pouco desapontada, pois as coisas nos Estados Unidos costumam ser organizadíssimas e podemos confiar nas informações de horário de funcionamento do site. Enfim… O museu ficou para a próxima e terminamos vivendo a experiência deliciosa do Bill Baggs. Foi ótimo! Amamos passeios ao ar livre.

Depois que saímos do parque, a chuva engrossou e olha só o que pegamos no caminho de Miami para Cocoa Beach:

Nos próximos posts, acompanhe a nossa viagem por Cocoa Beach e Cabo Canaveral.

 

Hospedagem em Miami Beach de frente para o mar, com preço acessível e estacionamento grátis

Quem já foi para Miami sabe que à medida que vamos nos aproximando do mar, as diárias dos hotéis vão ficando cada vez mais caras. Em Miami Beach e Miami Downtown é praticamente impossível encontrar hotéis com estacionamento incluído no valor da diária. E alguns deles, em plena segunda década do século 21, ainda cobram uma taxinha para uso do wi-fi. What?!?

O fato de sermos de João Pessoa e morarmos em São Paulo, faz com que sintamos muita falta de ver o mar, sentir seu cheiro, ouvir as ondas, pisar na areia… Então uma coisa que meu marido me pediu com relação à escolha da nossa primeira parada, foi que eu escolhesse algum hotel de frente para o mar, em Miami Beach. Aí começou a minha luta. Quando o preço era razoável, a avaliação no TripAdvisor era ruim. Quando a avaliação era boa, o preço era estratosférico. Quando a avaliação era boa e o preço era pagável, o estacionamento era cobrado à parte e custava 30 dólares diários, o que encarecia consideravelmente o pacote…

Foi aí que decidi ver as opções de apartamento para alugar no Airbnb e gostei muito do que vi por lá. Essa foi a nossa segunda experiência com o Airbnb (leia aqui sobre a primeira, no Rio de Janeiro) e não podíamos ter feito uma escolha mais feliz.

Optamos por um apartamento muito bem avaliado na Collins Avenue, de frente para o mar. A anfitriã é uma brasileira muito simpática e atenciosa. A nossa comunicação com ela foi fácil e rápida, via Whatsapp.

Na nossa opinião a localização é muito boa, mas funciona melhor para quem está de carro. Aliás, a cidade de Miami e região de entorno são bem melhor aproveitados por turistas devidamente motorizados (e com GPS).

A cor do mar é tão linda, que dói nos olhos. Vista maravilhosa…
Tem coisa mais gostosa que acordar com o sol nascendo e esse mar maravilhoso?
Banheiro do apartamento. Tudo limpinho e organizado.

O apartamento é um estúdio com cozinha completa, duas camas de casal e um sofá-cama, tv a cabo, wi-fi grátis, ar-condicionado, secador de cabelo, ferro de passar, cortinas com black-out acionadas por controle remoto, roupa de cama e de banho limpinhas… No anúncio do Airbnb, consta que berço e cadeirão podem ser providenciados, se solicitados. Achei bem bacana para quem viaja em família e com crianças.

Cozinha completa
Sofá cama
Cozinha completa
Detalhes graciosos na área para refeições
Cozinha completa

O prédio é uma espécie de condomínio/hotel com restaurante, bar, piscina, loja de conveniência, lavanderia, salão de beleza, algumas lojas de roupas, academia, spa e estacionamento grátis com valet (é de bom tom deixar gorjeta para o moço que traz o carro).

No caminho entre a piscina e a praia há chuveirões de água doce privativos para os hóspedes.

A Bela e o papai curtindo um pouco a praia
As gaivotas fazem a festa em frente ao apartamento
Caminho do condomínio até a praia
O condomínio pé-na-areia
Bela, que ama praia, amou o apê

Como se tratava de um apartamento, o café da manhã não estava incluído, então tomamos café no Denny’s que fica no número 7140 da própria Collins Avenue. Primeira refeição do dia com direito a panquecas, maple syrup, bacon, ovos, torradas, hash brown e toda a parafernalha de um café da manhã tipicamente americano. E claro que o garçom fica vindo completar as nossas xícaras de café (me sinto em um filme). Delícia de lugar, bem família, as crianças são bem-vindas e ganham material para colorir e giz de cera.

Bela se diverte enquanto a comida não chega. Denny’s, Collins Ave

Um dos aspectos mais convenientes da nossa estada nesse apartamento da Collins, foi o fato de aceitarem encomendas para os hóspedes. Assim, pudemos antecipar boa parte das comprinhas pela internet e mandamos entregar tudo no endereço do apartamento. É importante consultar previamente o anfitrião a respeito disso, pois ele informará se é possível receber as encomendas e confirmará o endereço direitinho. No nosso caso, tínhamos que colocar o remetente exatamente como consta no nosso passaporte para que o pessoal da segurança do prédio pudesse confirmar que aquelas encomendas eram realmente nossas. Como o prédio é enorme, muita gente fica indo até a recepção para receber encomendas (muita gente mesmo), mas o sistema é bem organizado e seguro. Eles mantêm um cadastro de todas as encomendas que entraram com nome do remetente, número de rastreamento e tamanho do pacote. Então precisamos procurar as nossas encomendas na lista, identificamos todos com um marcador de texto e o pessoal da segurança vai até o depósito buscar os pacotes. Embora não seja um serviço cobrado à parte, acho simpático e educado deixar uma graninha com a turma que nos atende.

O pessoal da recepção foi tão bacana que até guardou um pacote do Walmart que chegou com um dia de atraso (quando já estávamos em outra cidade e já não éramos mais hóspedes de lá). Passamos lá para buscar quase uma semana depois, quando retornamos para Miami. Tudo muito tranquilo, sem estresse.

Outra vantagem de ficar em um apartamento é que geralmente os proprietários são um pouco mais flexíveis com relação ao horário de check-in e check-out (claro, desde que não haja hóspedes saindo/entrando no mesmo dia que você).

Detalhes que acolhem

Para saber mais sobre o imóvel onde nos hospedamos, clique aqui. Se alguém gostou dessa opção e quer reservar algum imóvel dessa proprietária (ela tem alguns outros, também em Miami), diga que viu sobre o apartamento dela em uma postagem da Anna Karla, no blog Pezinho na Estrada. Ter uma referência sempre pode ajudar na aprovação da solicitação de reserva pelo Airbnb e, de repente, pode até rolar um descontinho especial.

A anfitriã também tem duas páginas no Facebook onde apresenta seus imóveis: https://www.facebook.com/sweetretreatsfl?_rdr e https://www.facebook.com/summerbreezemiami .

Gostou da ideia de ficar em um apartamento? Se quiser ter R$ 76 de desconto na primeira vez que usar o Airbnb, use o código amoura17 ou clique neste link.

Em tempo:

Se seu objetivo em Miami é exclusivamente compras ou se não se importa de ficar um pouco mais afastado das áreas mais turísticas da cidade, há inúmeras opções de hospedagem na região do aeroporto ou mesmo próximo aos outlets. Afastando-se da praia e de Downtown, abre-se mão das paisagens mais belas, mas aumenta-se progressivamente a oferta de hotéis com estacionamento, café da manhã e wi-fi grátis.

O TripAdvisor é sempre uma ótima ferramenta na hora de escolher o hotel. Recomendamos que sempre, antes de fechar alguma reserva de hospedagem, deem uma olhadinha nos relatos de quem já se hospedou naquele lugar.

Nesse link, você vê informações sobre um Best Western bacana onde já ficamos, na região do aeroporto / Dolphin Mall.

Curiosidade:

Você sabia que a região que chamamos de “Miami” é, na verdade, um conjunto de várias cidades? A região de Downtown é uma cidade, Miami Beach é outra, Coral Gables, outra…  Juntas, essas cidades formam o condado de Miami-Dade. Para entender melhor como é isso, veja esse post do site Melhores Destinos, que também inclui algumas dicas de hospedagem.

 

 

 

Flórida e Bahamas: roteiro de 10 dias por Miami Beach, Cocoa Beach, Fort Lauderdale e cruzeiro Disney nas Bahamas

 

Quando vi a promoção das passagens da Azul para Fort Lauderdale, percebi que era hora de voltar para a Flórida. 😉 A Azul tinha acabado de começar a comercializar os seus novos voos para a Fort Lauderdale e Orlando, ambos partindo de Campinas. Esses voos só entrariam em operação dali a dois meses (meados de dezembro de 2014), ou seja, ninguém tinha testado ainda, não existiam os famosos reviews e indicações pela internet. Logo, ainda não sabíamos como isso funcionaria direito, se seria bacana, se o atendimento seria bom, qual seria o estado da aeronave, se teria entretenimento a bordo… Era tudo um grande mistério, mas a oferta era bacana e, como boa empresa brasileira, permitia parcelar o valor em 10 vezes, o que não acontece com as empresas estrangeiras, que geralmente parcelam em 5, no máximo 6 vezes (para saber como foi a nossa experiência com a Azul, aguarde o nosso próximo post, pois contaremos direitinho). Ou seja, essa era uma oportunidade perfeita para as mini-férias que estávamos programando para fevereiro/março.

Primeiro compramos as passagens e só depois começamos a pensar no roteiro. Afinal, eu sabia que seria fácil encontrar milhares de coisas para fazer lá pela Flórida e que o problema seria mesmo escolher alguns destinos em detrimento de tantos outros. Mas uma coisa que já sabíamos era que não queríamos ir a Orlando. Pelo menos, não naquele momento. Teríamos pouco tempo (10 dias) e, se decidíssemos ir aos parques seria uma correria louca para ver tudo, ainda faltaria tempo e voltaríamos super cansados. Não estávamos nessa vibe. Então pensamos em alugar um apartamento em Miami Beach ou Fort Lauderdale e ficar por ali, descansando, no maior estilo slow travel (amo!). No entanto, tinha uma coisinha que me estava martelando a cabeça há algum tempo: o cruzeiro Disney. Há anos isso estava na nossa wishlist e a vontade de viajar no navio do Mickey só aumentava. Essa era a hora! Incluímos o Disney Cruise. E aos poucos as demais paradas começaram a se encaixar no nosso roteiro, que no final ficou assim:

26/fevereiro: voo Campinas – Fort Lauderdale às 23:27

27/fevereiro: chegada a Fort Lauderdale às 06:00. Miami Beach

28/fevereiro: Miami Beach / Cocoa Beach

01/março: Cocoa Beach / Kennedy Space Center

02/março: Disney Cruise – Bahamas

03/março: Disney Cruise – Bahamas

04/março: Disney Cruise – Bahamas

05/março: Disney Cruise – Bahamas

06/março: chegada do Disney Cruise / Fort Lauderdale

07/março: Fort Lauderdale

08/março: Fort Lauderdale

09/março : chegada a Campinas

 

Ah ! Tínhamos pensado em incluir Key West no primeiro dia do roteiro, mas felizmente desistimos da ideia, pois teria ficado muito corrido (insano mesmo!). Assim sendo, Key West continua na wishlist, guardadinha para uma próxima oportunidade.

Nos próximos posts, compartilharemos com vocês o roteiro completo da nossa viagem em família pela Flórida e pelas Bahamas, tudo bem mastigadinho. Só para despertar um pouquinho a sua curiosidade, você verá, entre outras coisas: nossas impressões sobre o voo da Azul; o aeroporto de Campinas (e como fizemos para chegar lá); o aeroporto de Fort Lauderdale e a espera na fila da imigração; o aluguel e a escolha do carro; o apartamento maravilhoso pé na areia que alugamos em Miami Beach (e pertence a uma brasileira super gente boa); nosso passeio pelo Bill Bags State Park; nossa tentativa de visita frustrada ao Miami Children’s Museum; a tempestade que pegamos na estrada; nossa visita emocionante e inesquecível ao Kennedy Space Center (da Nasa); nossa inesquecível experiência gastronômica em um dos melhores restaurantes que já conhecemos (pequetitico e maravilhoso) em Cocoa Beach; a escolha do navio e da cabine no Disney Cruise; nossos preparativos para o cruzeiro e cada detalhe da nossa experiência nele; a nossa alegria por termos conseguido uma super barganha no Hotwire com o hotel de Fort Lauderdale; nosso hotel com vista fantástica e grudadinho no píer de Cocoa Beach; comprinhas, passeios, restaurantes…

  •  Período da viagem: fevereiro e março de 2015
  • Temperatura: agradável, variando de calorão a noite fresquinha (com água do mar um pouco mais fria do que imaginávamos).
  • Viajantes: casal + uma criança de 2 anos e 10 meses