Seattle: uma introdução + dicas para conhecê-la de motorhome (onde dormir, estacionar e tomar café da manhã)

Nesse post vamos falar um pouquinho sobre algumas das coisas que fazem a cidade se Seattle ser absolutamente especial e daremos algumas dicas para quem pretende ir até lá de motorhome (onde dormir, campings, free camping, onde tomar café da manhã perto dos campings e onde estacionar o carro para explorar a cidade).

Seattle é conhecida como Rain City (“Cidade da Chuva”) e também como The Emerald City (“A Cidade Esmeralda”). Gosto mais do segundo nome, pois Seattle teve a imensa consideração de nos brindar com dias lindos, de sol brilhando e céu azul. Nos dias que passamos lá, só pegamos um comecinho de manhã chuvoso, que logo se converteu em dia de céu de brigadeiro.

Seattle nos recebeu com céu azul.

Ficamos em Seattle praticamente 4 dias inteiros (chegamos no 9º dia de viagem e fomos embora no 13º) e achamos que foi um bom tempo para termos uma ideia da cidade. Se eu tivesse mais tempo lá, para ir além das principais atrações turísticas da cidade, teria ficado ainda mais feliz. Seattle é uma cidade muito gostosa. Tem tudo o que uma cidade grande americana tem, mas não é grandalhona. Dá para fazer um monte de coisa legal a pé e as principais atrações turísticas estão concentradas praticamente na mesma região.

As principais atrações de Seattle ficam concentradas no Seattle Center e na orla.
As principais atrações de Seattle ficam concentradas no Seattle Center e na orla.

Seattle está localizada em Puget Sound, uma região estuarina do estado de Washington. Isso faz com que a paisagem sempre esteja marcada por água e pontes, o que particularmente me agrada bastante.

Quem tiver muita sorte e pegar um dia com o céu bem limpo, vai ser brindado com uma vista linda do Monte Rainier por trás da cidade. Trata-se da maior montanha do estado de Washington, que passa a maior parte do tempo com o topo branquinho, coberto de neve e é um vulcão ativo. Sua última erupção foi em 1894.

Mount Rainier despontando por trás de Seattle. Foto: Victoegrigas – CC BY-SA 3.0

Seattle também é uma “pequenina” que impressiona por sua produção artística, tecnológica e intelectual. Com menos de 700 mil habitantes (3,5 milhões na região metropolitana), a cidade é sede de multinacionais como a Boeing, Microsoft, Amazon e Starbucks.

Na música, Seatlle é a cidade natal de nada menos que o melhor e maior guitarrista da história do rock, Jimi Hendrix. Bandas como Nirvana, Pearl Jam, Alice in Chains e Soundgarden levaram o grunge para o mundo. Não é à toa que o estilo grunge também é conhecido como som de Seattle. Esse estilo de rock alternativo surgiu na cidade no final da década de 1980 e ainda hoje influencia bandas de rock do mundo inteiro.

Seattle, Washington State
Seattle, Washington State

Também foi em Seattle que ficaram conhecidos grandes artistas do jazz, como Ray Charles (considerado um dos maiores gênios da música norte-americana), Quincy Jones e Ernestine Anderson. No hip hop, Seattle lançou nomes como Sir Mix-A-Lot e Macklemore (Thrift Shop tem mais de 1,2 bilhões de visualizações no Youtube). Ou seja, muito do que se escuta mundo afora está direta ou indiretamente ligado àquele cantinho da costa oeste americana.

Ah! Para os fãs de séries e cinema, é em Seattle que se passam as histórias de “Grey’s Anatomy”, “50 Tons de Cinza” e o absolutamente apaixonante “10 Coisas que eu Odeio em Você”.

Outra coisa muito legal de Seattle é que a cidade fica a pouco mais de duas horas de carro de Vancouver (Canadá) e tem acesso fácil a Victoria (capital da British Columbia) de ferry. Também saem de Seattle (e de Vancouver) muitos cruzeiros que vão para o Alasca. Então Seattle é uma cidade bem estratégica para servir de base para roteiros naquela região.

Se ainda não consegui te convencer a querer visitar Seattle, me acompanha nos próximos posts, que vou mostrar os lugares mais legais para visitar na cidade. É impossível não curtir muito esse lugar!

Seattle de motorhome

Na fase de planejamento desta viagem, uma coisa que me preocupou bastante foi como faríamos para visitar Seattle de motorhome. Afinal, dirigir em um cidade grande com um trambolhão não é a coisa mais prática do mundo. E quanto mais eu pesquisava, mais encontrava pessoas em fóruns falando que não se atreveriam a dirigir um motorhome dentro de Seattle.

Dirigindo o motorhome em Seattle

Continuei na pesquisa e descobri que a família do blog Felipe, o Pequeno Viajante, tinha visitado Seattle com motorhome, sim. Eles até deram uma dica preciosa de um local super bacana (e barato, se compararmos com o resto da cidade) para estacionar o motorhome bem ao lado da Space Needle e do burburinho turístico de Seattle.

Esse se tornou o nosso ponto favorito para parar o motorhome e desbravar a cidade (o lugar onde parávamos era na Taylor Avenue N, mais ou menos na altura do número 303, um pouco antes do Best Western), por trás do Ride the Ducks os Seattle e da Space Needle. Acho que o estacionamento ali custava 9 dólares e podia deixar o carro por um período de até 10 horas. O pagamento podia ser feito por um aplicativo que é baixado no site paybyphone.com. Também encontramos lugar fácil para estacionar na região do aquário e da roda gigante. Lá, nós deixamos o carro no Public Parking que fica na própria Alaskan Way, altura do número 1510. Lá tem um estacionamento coberto com elevadores para o Pike Place Market, mas deixamos na parte aberta (por causa da altura do motorhome), embaixo do viaduto.

Nossa vaga favorita, bem ao lado da Space Needle.
Nossa vaga favorita, bem ao lado da Space Needle.

Ou seja, com um pouquinho de paciência e sabendo dirigir bem, não vejo nenhum problema em circular de motorhome dentro de Seattle.

O único dia que decidimos deixar o motorhome em casa e ir para a cidade de Uber foi no dia do jogo dos Seattle Seahawks, pois estacionamento próximo a estádio em dia de jogo costuma ser muito caro e difícil de encontrar. Chegamos a tentar reservar uma vaga em frente ao estádio para participar da tailgate party, mas não encontramos vagas disponíveis que custassem preços pagáveis (rsrsrs). No post sobre o jogo vou explicar melhor o que é tailgate, quem sabe alguém um dia tem oportunidade de participar…

Onde pernoitar com o motorhome em Seattle

Com relação ao pernoite, dormimos em dois campings diferentes em Seattle. Os dois ficam fora da cidade, mas ambos dentro da região metropolitana e com acesso rápido e fácil para os principais pontos turísticos.

Uma coisa que vale destacar é que campings que ficam em regiões muito urbanas costumam ter as vagas bem mais apertadinhas que aqueles que ficam em parques nacionais. Então não estranhe se seu motorhome ficar encostadinho em outro e se você chegar no camping e não tiver uma mesa exclusiva para fazer suas refeições.

O primeiro camping que ficamos foi o Trailler Inns of Bellevue, que conta com vagas full hookup (com água encanada, rede de esgoto, eletricidade) e até cabos de TV para os motorhomes que têm a sorte de ter televisão. O camping tem piscina (só liberada para crianças acima de três anos que já tenham passado pelo desfralde), playground pequenininho (mas que quebra o galho) e banheiros limpinhos. Só não ficamos todos os dias nesse camping porque em um dos dias não tinha vaga. Ia rolar um show de rock na cidade e tinha muito motorhome circulando. Como não tínhamos feito reserva, tivemos que procurar outro camping para pernoitar na noite do show.

Trailler Inns of Bellevue
Playground do camping
Trailler Inns of Bellevue

Se você se hospedar na região de Bellevue como nós fizemos, um lugar legal para tomar café da manhã é o Lil’ Jon Restaurant, uma diner com estilo bem tradicional, que é operada pela mesma família há três gerações. Café da manhã delicinha.

Café da manhã no Lil’ Jon
Café da manhã no Lil’ Jon
Cardápio do Lil’ Jon

O outro camping onde nos hospedamos foi o Seattle/Tacoma KOA. A KOA (Kampgrounds of America) é uma rede com quase 500 campings espalhados em todo o território americano). Nessa unidade onde nos hospedamos, eles têm vagas com full hookup, tv a cabo, wi-fi, playgroung, piscina outdoor aquecida, sessões de cinema e de jogos dos Seattle Seahawks, área para pesca, aluguel de bicicletas, serviços de shuttle… É um camping bem estruturado e bem focado no segmento da família.

KOA Seattle/Tacoma
Playground no KOA Seattle/Tacoma
KOA Seattle/Tacoma

No dia que dormimos no KOA, tomamos café da manhã na charmosa cidadezinha de Kent, a 10 minutinhos de carro do camping. O lugar escolhido foi o Maggie’s on Meeker, que tem um jeito todo especial de lidar com as crianças. Amamos!

Panquecas no Maggie’s on Meeker
Café da manhã no Maggie’s on Meeker

Para quem procura free camping, uma dica da Claudia Rodrigues, do blog Felipe, o Pequeno Viajante, e que também vi em alguns fóruns pela internet é a ilhota Mercer Island, que fica entre Bellevue e Seattle. Falam que naquela região há a possibilidade de parar o motorhome na proximidade dos parques urbanos.

 

No próximo post vamos falar sobre as coisas que você não pode deixar de fazer em Seattle. Aguardem! =)

___________________________________________________________________________

Agradecemos aos parceiros do blog em Seattle: Visit Seattle, Seattle CityPASS e Ride the Ducks of Seattle pelo apoio à nossa viagem.

___________________________________________________________________________

Nesta aventura, nós ficamos o tempo todo conectados na internet porque usamos o chip Easysim4u, que tem internet ilimitada nos Estados Unidos, Canadá e mais de 140 outros países. O chip é enviado para a sua residência no Brasil antes da viagem e, quando você chega ao destino, basta colocar o chip no celular e começar a usar. Você já sai do aeroporto conectado e usando o Waze e a internet à vontade.

Agradecemos pela gentileza da Easysim4u, parceira da RBBV, por ter nos enviado como cortesia o chip e o plano (USA + Canadá) para que pudéssemos permanecer conectados, compartilhando todos os momentos desta roadtrip com os leitores do  nosso blog.

___________________________________________________________________________

Usou alguma dica do nosso blog? Conta como foi! Gostamos muito de receber o retorno dos nossos leitores. Ficamos felizes quando sabemos que nossas dicas foram úteis nas viagens de outras famílias!

___________________________________________________________________________

Siga o Pezinho na Estrada nas redes sociais: Facebook Instagram.

___________________________________________________________________________

Já reservou o seu hotel? Nós somos parceiros do Booking. Quando você faz a sua reserva usando o nosso link, nós ganhamos uma pequena comissão que nos ajuda na manutenção do blog e você não paga nada a mais por isso.
Booking.com

 

 

 

 

Hospedagem em Miami Beach de frente para o mar, com preço acessível e estacionamento grátis

Quem já foi para Miami sabe que à medida que vamos nos aproximando do mar, as diárias dos hotéis vão ficando cada vez mais caras. Em Miami Beach e Miami Downtown é praticamente impossível encontrar hotéis com estacionamento incluído no valor da diária. E alguns deles, em plena segunda década do século 21, ainda cobram uma taxinha para uso do wi-fi. What?!?

O fato de sermos de João Pessoa e morarmos em São Paulo, faz com que sintamos muita falta de ver o mar, sentir seu cheiro, ouvir as ondas, pisar na areia… Então uma coisa que meu marido me pediu com relação à escolha da nossa primeira parada, foi que eu escolhesse algum hotel de frente para o mar, em Miami Beach. Aí começou a minha luta. Quando o preço era razoável, a avaliação no TripAdvisor era ruim. Quando a avaliação era boa, o preço era estratosférico. Quando a avaliação era boa e o preço era pagável, o estacionamento era cobrado à parte e custava 30 dólares diários, o que encarecia consideravelmente o pacote…

Foi aí que decidi ver as opções de apartamento para alugar no Airbnb e gostei muito do que vi por lá. Essa foi a nossa segunda experiência com o Airbnb (leia aqui sobre a primeira, no Rio de Janeiro) e não podíamos ter feito uma escolha mais feliz.

Optamos por um apartamento muito bem avaliado na Collins Avenue, de frente para o mar. A anfitriã é uma brasileira muito simpática e atenciosa. A nossa comunicação com ela foi fácil e rápida, via Whatsapp.

Na nossa opinião a localização é muito boa, mas funciona melhor para quem está de carro. Aliás, a cidade de Miami e região de entorno são bem melhor aproveitados por turistas devidamente motorizados (e com GPS).

A cor do mar é tão linda, que dói nos olhos. Vista maravilhosa…
Tem coisa mais gostosa que acordar com o sol nascendo e esse mar maravilhoso?
Banheiro do apartamento. Tudo limpinho e organizado.

O apartamento é um estúdio com cozinha completa, duas camas de casal e um sofá-cama, tv a cabo, wi-fi grátis, ar-condicionado, secador de cabelo, ferro de passar, cortinas com black-out acionadas por controle remoto, roupa de cama e de banho limpinhas… No anúncio do Airbnb, consta que berço e cadeirão podem ser providenciados, se solicitados. Achei bem bacana para quem viaja em família e com crianças.

Cozinha completa
Sofá cama
Cozinha completa
Detalhes graciosos na área para refeições
Cozinha completa

O prédio é uma espécie de condomínio/hotel com restaurante, bar, piscina, loja de conveniência, lavanderia, salão de beleza, algumas lojas de roupas, academia, spa e estacionamento grátis com valet (é de bom tom deixar gorjeta para o moço que traz o carro).

No caminho entre a piscina e a praia há chuveirões de água doce privativos para os hóspedes.

A Bela e o papai curtindo um pouco a praia
As gaivotas fazem a festa em frente ao apartamento
Caminho do condomínio até a praia
O condomínio pé-na-areia
Bela, que ama praia, amou o apê

Como se tratava de um apartamento, o café da manhã não estava incluído, então tomamos café no Denny’s que fica no número 7140 da própria Collins Avenue. Primeira refeição do dia com direito a panquecas, maple syrup, bacon, ovos, torradas, hash brown e toda a parafernalha de um café da manhã tipicamente americano. E claro que o garçom fica vindo completar as nossas xícaras de café (me sinto em um filme). Delícia de lugar, bem família, as crianças são bem-vindas e ganham material para colorir e giz de cera.

Bela se diverte enquanto a comida não chega. Denny’s, Collins Ave

Um dos aspectos mais convenientes da nossa estada nesse apartamento da Collins, foi o fato de aceitarem encomendas para os hóspedes. Assim, pudemos antecipar boa parte das comprinhas pela internet e mandamos entregar tudo no endereço do apartamento. É importante consultar previamente o anfitrião a respeito disso, pois ele informará se é possível receber as encomendas e confirmará o endereço direitinho. No nosso caso, tínhamos que colocar o remetente exatamente como consta no nosso passaporte para que o pessoal da segurança do prédio pudesse confirmar que aquelas encomendas eram realmente nossas. Como o prédio é enorme, muita gente fica indo até a recepção para receber encomendas (muita gente mesmo), mas o sistema é bem organizado e seguro. Eles mantêm um cadastro de todas as encomendas que entraram com nome do remetente, número de rastreamento e tamanho do pacote. Então precisamos procurar as nossas encomendas na lista, identificamos todos com um marcador de texto e o pessoal da segurança vai até o depósito buscar os pacotes. Embora não seja um serviço cobrado à parte, acho simpático e educado deixar uma graninha com a turma que nos atende.

O pessoal da recepção foi tão bacana que até guardou um pacote do Walmart que chegou com um dia de atraso (quando já estávamos em outra cidade e já não éramos mais hóspedes de lá). Passamos lá para buscar quase uma semana depois, quando retornamos para Miami. Tudo muito tranquilo, sem estresse.

Outra vantagem de ficar em um apartamento é que geralmente os proprietários são um pouco mais flexíveis com relação ao horário de check-in e check-out (claro, desde que não haja hóspedes saindo/entrando no mesmo dia que você).

Detalhes que acolhem

Para saber mais sobre o imóvel onde nos hospedamos, clique aqui. Se alguém gostou dessa opção e quer reservar algum imóvel dessa proprietária (ela tem alguns outros, também em Miami), diga que viu sobre o apartamento dela em uma postagem da Anna Karla, no blog Pezinho na Estrada. Ter uma referência sempre pode ajudar na aprovação da solicitação de reserva pelo Airbnb e, de repente, pode até rolar um descontinho especial.

A anfitriã também tem duas páginas no Facebook onde apresenta seus imóveis: https://www.facebook.com/sweetretreatsfl?_rdr e https://www.facebook.com/summerbreezemiami .

Gostou da ideia de ficar em um apartamento? Se quiser ter R$ 76 de desconto na primeira vez que usar o Airbnb, use o código amoura17 ou clique neste link.

Em tempo:

Se seu objetivo em Miami é exclusivamente compras ou se não se importa de ficar um pouco mais afastado das áreas mais turísticas da cidade, há inúmeras opções de hospedagem na região do aeroporto ou mesmo próximo aos outlets. Afastando-se da praia e de Downtown, abre-se mão das paisagens mais belas, mas aumenta-se progressivamente a oferta de hotéis com estacionamento, café da manhã e wi-fi grátis.

O TripAdvisor é sempre uma ótima ferramenta na hora de escolher o hotel. Recomendamos que sempre, antes de fechar alguma reserva de hospedagem, deem uma olhadinha nos relatos de quem já se hospedou naquele lugar.

Nesse link, você vê informações sobre um Best Western bacana onde já ficamos, na região do aeroporto / Dolphin Mall.

Curiosidade:

Você sabia que a região que chamamos de “Miami” é, na verdade, um conjunto de várias cidades? A região de Downtown é uma cidade, Miami Beach é outra, Coral Gables, outra…  Juntas, essas cidades formam o condado de Miami-Dade. Para entender melhor como é isso, veja esse post do site Melhores Destinos, que também inclui algumas dicas de hospedagem.