Nova York com bebê de um ano (parte 5): compras (incluindo lista de compras para crianças de 1 a 3 anos)

Quem já teve oportunidade de fazer compras nos Estados Unidos, sabe que os preços são imbatíveis e que vale muito a pena juntar uma graninha para dar uma renovada no guarda-roupa por lá. Não é à toa que há alguns anos rola uma “febre” de viajar para fazer o enxoval de bebês (veja aqui a nossa experiência de compra de enxoval em Miami). Vou adiantando que você vai voltar para o Brasil e vai ficar achando tudo absurdamente caro e vai ter pena de comprar coisas por aqui.

Acontece que lá é possível encontrar produtos de excelente qualidade e marcas famosas por preço de “coisas normais” no Brasil. Se aproveitar uma liquidação ou for a algum outlet então, os preços são ainda melhores.

Atenção, queridos leitores! Muitas das dicas sobre compra de enxoval que dei nesse post aqui valem também para Nova York, algumas dessas dicas valem até para quem não vai fazer enxoval, mas pretende fazer compras, como a dica sobre os cadeados, a dica de fazer compras antecipadas pela internet e mandar entregar as encomendas no hotel, a dica dos cupons de desconto… Enfim, se pretende fazer compras, vale dar uma olhada lá naquele post.

Apple Store 5th Ave. Créditos: Nk http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5/

Em Manhattan existem lojas para todos os gostos e bolsos. De H&M, Forever 21 e Gap a Burberry, Bebe, Armani e Prada. Na região da 5th Ave estão as lojas mais chiques e caras. É lá, pertinho do Central Park, que fica a loja da Apple, uma grande “caixa de vidro”, que às vezes tem fila para entrar. Se estiver podendo, aproveite para comprar seu Iphone, Ipad, Ipod, Iqualquer-coisa, por preços bem inferiores aos praticados no Brasil. Também é na 5th Ave que fica a joalheria Tiffany & Co., eternizada pelo filme “Bonequinha de Luxo”, que tornou as coisas que vêm dentro da tal caixinha azul turquesa objetos de desejo das mulheres no mundo todo. Vale a pena dar uma volta por essas lojas, nem que seja para passear como se estivesse em uma exposição (é tipo a Champs Elysees de Nova York).

Caixinha azul da Tiffany & Co. Créditos: Adriana Górak. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Tiffany_blue_box_1.jpg

Grandes lojas de departamento como a Macy’s, a Bloomingdales e a Barneys são multimarcas e costumam ter inúmeros andares com roupas, jóias e acessórios, artigos para a casa, restaurantes e cafés. Aproveitando uma ou outra promoção, dá até para dar uma garimpada e comprar em alguma delas. Já vi preços bem tentadores na Macy’s, por exemplo, onde comprei jeans da Levi’s para a Bela com 50% de desconto (ficou mais barato que um jeans infantil da C&A no Brasil).

Para quem adora uma promoção e tem paciência para procurar tesouros escondidos em mares de possibilidades, existem as lojas TJMaxx, Ross Dress for Less, Marshalls e Burlington. Nessas lojas é possível encontrar, bem ali no meio daquelas araras lotadas, coisas de marcas muito boas por preços incrivelmente baixos. É só saber procurar e verificar direitinho se a peça não tem defeitos de fabricação. Já encontramos calças sociais da Calvin Klein para o meu marido por algo em torno de 20 dólares. Vestidinho da Ralph Lauren para a Bela por 9 dólares. Nessas lojas também encontramos umas pontas de estoque de brinquedos e outros tipos de acessório para crianças.

E atenção para uma dica muito, MUITO legal! Para mim, não há lugar melhor para comprar malas de viagem que na TJMaxx e na Ross. Lá é possível encontrar malas bem grandes da Samsonite por 80 dólares. É bem mais barato que nas lojas da própria Samsonite que ficam nos outlets. Se não fizer questão de marca, vai encontrar malas muito boas e ainda mais baratas. Afinal, onde você encontra uma mala boa e gigante no Brasil por menos de 200 reais? Portanto, se estiver precisando de malas novas, leve suas coisas na viagem na mala velhinha mesmo e deixe para comprar uma mala nova lá. Fiz isso da última vez que fui à Califórnia. Comprei malas Samsonite na TJ Maxx e abandonei a minha velha companheira de viagem, que estava com o zíper quebrado, lá no hotel de San Francisco. Ela terá uma vida feliz naquela cidade linda. =)) Era uma mala roxa, enoooorme, comprada no Leeds Market na época em que morei na Inglaterra entre 2002 e 2003. Meu pai a chamava carinhosamente de “pochete”. Confesso que vou sentir saudade de ver a bichinha aparecendo na esteira do aeroporto.

Despedida da minha “pochete”. Vale muito a pena deixar para comprar malas novas lá!

Quanto a lojas de brinquedos e doces, já passamos algumas dicas aqui. Se for visitar lugares mais afastados de Manhattan, outras lojas legais para comprar essas coisas são os supermercados Target e Walmart.

Para comprar eletrônicos, videogames e acessórios, além dos supermercados Target e Walmart, tem as lojas da Best Buy e Gamestop. Meu marido não pode ver uma Gamestop e não entrar. É coisa de louco! Para os apaixonados por games, a loja é mesmo muito legal.

As farmácias americanas são absolutamente espetaculares. Tudo é bacana, diferente e mais barato que aqui. Se você não se ligar, pode perder um tempão explorando os corredores de uma farmácia. As redes CVS e Walgreens são as mais famosas. Parecem supermercados, de tão grandes. São bons lugares para comprar maquiagem, alguns creminhos, coisas para unhas, cosméticos em geral. Vendem até comida nessas farmácias. Na Target e Walmart também tem cosméticos. Para marcas mais top, tem a Sephora e a MAC, entre outras. Ah! Nas lojas de departamento que citei ali em cima você também encontra grande variedade de cosméticos e maquiagens. É a hora certa para aproveitar para comprar batom da MAC com preço de Avon.

Woodbury Common

Apesar de tudo o que eu falei até agora, o nosso lugar favorito para fazer o “grosso” das compras é sempre o outlet. Principalmente quando o assunto é roupa. É nos outlets que você encontrará os melhores preços possíveis. Como estávamos em Nova York, aproveitamos para ir ao Woodbury, da rede Premium Outlets, que fica afastado de Manhattan, em Central Valley, ainda no estado de Nova York.

Woodbury Commons. Créditos: Daniel Case. http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/

Fomos e voltamos de ônibus categoria turística, que sai do terminal de ônibus Port Authority, pertinho do hotel onde estávamos hospedados. As passagens de ida e volta para o outlets estavam incluídas no pacote que compramos pela City Sights NY e sobre o qual falamos um pouco aqui. Só tem que ficar de olho nos horários dos ônibus. Quando fechamos o pacote também ganhamos um voucher que dá direito a um livrinho de descontos para ser usado no outlet. Tinha folhinhas com descontos para praticamente todas as lojas que visitamos.

Gostamos muito do outlet. Não estava cheio como os outlets de Miami e conseguimos fazer as comprinhas com muita tranquilidade. É possível alugar um carrinho para ajudar a carregar as compras, mas é mais vantagem comprar lá uma mala de rodinhas e ir tacando as sacolas dentro. Se não quiser comprar uma mala, leve a sua mala vazia (ou a novinha que você comprou na TJMaxx ;)) para lá. Vai facilitar muito a sua volta no ônibus e, depois a sua caminhada do Port Authority até o hotel. Já se você for ao outlet de carro, é outro esquema, pois pode colocar as compras no carro. [Update! Gente, como muuuuita gente fazia isso de comprar e deixar as compras no carro, infelizmente, passaram a acontecer alguns casos de arrombamento de veículos para furtar as compras das pessoas (principalmente em Miami e Orlando). O mais indicado passa a ser alugar o carrinho do shopping ou levar uma mala grande e ir colocando tudo dentro (não tire o olho das suas compras nem um segundo). Não é mico não! Muita gente leca a própria mala. E, assim que sair do outlet, parta direto para o hotel para guardar as compras. Nem uma paradinha para comer antes. É uma pena, mas não é mais seguro manter as compras no porta-malas do carro =(  ] 

A Bela estava conosco e ficou super quietinha no carrinho dela. Dormiu a maior parte do tempo. No outlet tem praça de alimentação e fraldários. Choveu durante um tempo e, como o outlet é aberto, compramos guarda-chuva na Timberland (lindo!) e deixamos o carrinho da Bela com a capinha de chuva durante a caminhada entre as lojas.

 

Compras para crianças de 1 a 3 anos (Enxoval Parte 2: A Missão)

Quando fizemos essa viagem, a Bela estava com um ano e já tínhamos feito as compras do enxoval dela em Miami. Na oportunidade, focamos nas coisas que seriam usadas por ela na idade de zero a um ano. Já nessa viagem a Nova York, era a oportunidade de fazer as compras com foco na fase de um a dois anos (depois, na Califórnia, fizemos compras para a fase de dois a três anos).

Para não perdermos muito tempo com as compras, costumamos antecipar tudo o que pudermos pela internet e mandamos entregar no hotel. Compramos um carrinho de bebê novo, que fecha como guarda-chuva e é ideal para crianças mais velhas e mandamos entregar no hotel. Nesse caso, não levamos o que a Bela já tinha e, na volta, o carrinho não contou na franquia da bagagem, entrando como item gratuito, despachado na porta da aeronave. Também compramos a maioria das roupinhas no site da Carters e OshKosh B’Gosh e eles entregaram tudo certinho no hotel.

Bela passeando no carrinho novo

É muito comum encontrarmos pela internet sugestões de listas para o enxoval de bebês, mas não para compras com crianças maiores. Sendo assim, vou postar aqui a minha listinha de compras para a Bela, compilando as listas de 1 a 2 anos e de 2 a 3 anos. Não compramos tudo o que está na lista e às vezes compramos coisas que não estão aí, mas a listinha serve como um guia pra a gente não se perder muito nas compras, nem deixar de comprar alguma coisa que costuma valer a pena por lá.

– Roupinhas de 1 a 2 anos e de 2 a 3 anos: roupas para frio, calor, pijamas, baby-dolls, roupão, roupas de banho, meias, meias-calças (diversas cores e materiais), sapatos, tênis, chinelos, botas, bolsa, acessórios, acessórios para cabelo, óculos escuros, Crocs, calcinhas (muitas, por causa do desfralde)
– Casaco da Uniqlo: perfeito para famílias viajantes. Vale comprar para os pais também. Modelo sugerido: ultra light down parka, casaco super leve, impermeável, com capuz, que segura super bem na hora do frio e dá para guardar em uma bolsinha bem pequena. Guardo o meu, o do meu marido e o da Bela em uma mochila e ainda tem espaço de sobra para câmeras, celular, tripé, carteira, lanchinhos…). É a tecnologia japonesa a serviço das famílias que gostam de viajar. .
Chapéu nesse estilo.
– Cadeirinha para o carro
– Carrinho leve que feche como guarda-chuva (Maclaren, que suporte crianças mais velhas) + capa de chuva para carrinho + acessórios (bolsa, porta-copos)
– Brinquedinhos (Equestria Girls, wagon para carregar brinquedos, bola inflável para usar na piscina, pá grande para fazer piscina de areia na praia, entre outros)
Boia para piscina/mar nesse estilo
Toalha de piquenique compacta e impermeável 
– Bagagem de mão: Melissa and Doug Trunki + saddlebag + adesivos para personalizar a trunki: https://www.youtube.com/watch?v=eJZmW4uadFw
Microfone com auto-falante
– Mochila e lancheira (com garrafinha térmica)
– Fantasias (tem uma Party City bem na rua do Empire State Building, com grande variedade de fantasias e preços bons. Dica: dá para comprar pela internet e mandar entregar no hotel, pois nem sempre eles terão o modelo e o tamanho que você quer, principalmente para crianças bem pequenas).
– Protetor para IPad (kids safe)
– Potty training stuff (penico, adaptador para o vaso)
– Capa de chuva, guarda-chuva e galochas (as coisas da Kidorable são lindas).
– Canetinhas, crayons, massinhas, coisas da Crayola, etc.
– De cozinha – copos, pratos e outras coisinhas para toddlers
– Sorinho em spray para lavar o nariz (aqui no Brasil aqueles estilo Maresis são uma nota e lá eles vendem um grandão, que dura muito mais, por um preço bem mais justo)
– Roupa de cama para toddler
– Toalhas maiores para toddler
– Algumas lembrancinhas de aniversário, diferentes das que temos na Rua 25 de Março
– Desitin – pomada de assaduras (renovar o estoque)
– After bite da Benadryl
– Creme dental da Orajel do My Little Pony (sem flúor)
Tangle Teezer (escova de cabelo maravilhosa – na Sephora do Brasil custa 76 reais e lá nos Estados Unidos custa 9 dólares – um verdadeiro milagre para desembaraçar o cabelo da Bela)
Tenda para fazer sombra na praia

 

 

Nova York com bebê de um ano (parte 4): Go Yankees!

Estou curtindo muito escrever o relato sobre a nossa ida a Nova York. Cada detalhe que eu lembro desperta em mim um desejo quase incontrolável de voltar para lá hoje mesmo. =)

Nesse post, vamos falar sobre a nossa experiência de assistir a um jogo de baseball no Yankee Stadium.

Yankee Stadium. Créditos: Groupe Canam. Licença http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/

 

Para ver os três primeiros posts sobre Nova York, clique aqui: parte 1, parte 2, parte 3.

Yankee Stadium – jogo de baseball

Tá aqui uma coisa que a gente curte fazer nos Estados Unidos: assistir a alguma partida esportiva.

Os americanos são apaixonados por esportes e costumam torcer pelos times locais como muita paixão e entusiasmo. Os estádios são lindos, bem cuidados e organizados. A estrutura costuma ser sensacional. E o evento em si é um verdadeiro espetáculo (brincadeiras com a plateia, sorteio de brindes, câmera do beijo, homenagens aos veteranos de guerra, músicas da torcida). Telões gigantes de alta definição mostram detalhes da partida e imagens da torcida e das jogadas. É um programa tão bacana, que até quem não gosta de esportes deve gostar da experiência. Se esse é o seu caso, dê uma chance a essa atividade e assista algum jogo em alguma cidade americana (de preferência algum dos esportes favoritos americanos – baseball, futebol americano, hockey ou basquete).

Yankee Stadium
Yankee Stadium

 

Área externa do Yankee Stadium – Baby Ruth Plaza

No nosso caso, gostamos muito de esportes. A ESPN é um dos canais mais assistidos na TV lá em casa, principalmente pelo maridão. Então, quando sempre que decidimos viajar, uma das primeiras coisas que faço é ver qual temporada está rolando e qual jogo podemos aproveitar para assistir no estádio. Para isso, vejo o site oficial do time da cidade. No caso, estávamos em Nova York no mês de maio e estava rolando a temporada de baseball. Obaaaa!!! Quer programa melhor que assistir a um jogo dos NY Yankees?

No site há um calendário bem organizado dos jogos da temporada com links direto para o site de venda de ingresso. No caso dos Yankees, o Ticketmaster. Vimos que os Yankees jogariam em casa contra os Oakland Athletics. Compramos por US$ 81,40 o par de ingressos. Crianças de até três anos, com menos de 76,2 centímetros (30 inches) não pagam, desde que sentem no colo de um adulto.

Estádio lotado
Oakland Athletics
NY Yankees
Go Yankees!

Dica: quanto maior a antecedência para a compra do ingresso, melhor, pois os preços vão subindo conforme a data vai se aproximando. Ah! Nunca testamos deixar para comprar na porta com as pessoas que fazer revenda, pois nunca quisemos arriscar pagar muito mais caro ou a possibilidade de os ingressos já terem se esgotado. Se alguém tiver alguma experiência com compra de ingressos lá na hora e quiser compartilhar, sua participação será muito bem vinda.

Sentamos na Section 420A, Row 7 (fila), Seats 23 e 24 (cadeiras) e tivemos essa vista do estádio:

Yankee Stadium, 420A, Row 7, Seats 23 e 24

 

Yankee Stadium, 420A, Row 7, Seats 23 e 24

Existiam outros ingressos muito mais caros e outros um pouco mais baratos, mas achamos que pagamos um preço razoável (sim, os ingressos costumam ser caros) para uma localização que consideramos muito boa. Ficamos por trás da primeira base, de frente para um telão imenso, na sombra. Essa coisa da sombra é uma faca de dois gumes. Por um momento, por causa do frio que estava fazendo no estádio, desejamos imensamente estar sentados no sol. Por outro lado, sentar ali nos garantia abrigo no caso de uma eventual chuva. No final, fez um dia lindo e ensolarado e deu para curtir bem, porém, fica a dica: sigam com roupas bem preparadas para o frio, mesmo que esteja com cara de lindo dia de primavera.

Fomos até o estádio, que fica no Bronx, de metrô. A linha 4 tem uma estação chamada Yankee Stadium, que para ali pertinho. O metrô certamente estará cheio de torcedores do Yankees e é só seguir o fluxo de pessoas para chegar até lá.

Bela no Yankee Stadium

No estádio, não fugimos à tradição e fomos de hot dog com cerveja. Para a Bela, chocolate quente. Também levei umas bolachinhas de bebê, smoothies, suquinhos e iogurtes na mochila. A comidinha dela entrou no estádio, sem problema. Ninguém nem questionou.

Nessa época a Bela ainda mamava no peito. Nos Estados Unidos, sempre procuramos ser discretos quanto à amamentação, pois, culturalmente, os americanos não estão tão acostumados a ver um bebê mamando no peito (infelizmente). Daí discretamente, cobrindo com um paninho a Bela deu umas bebericadas tranquilamente. Ninguém nem percebeu.

Família pronta para o jogo
Torcedora Bela

Também dá para levar o carrinho para o Yankee Stadium, mas quando chegar ao seu assento, é preciso dobrá-lo e deixar guardadinho em um canto (os seguranças orientam direitinho).

Antes de ir, consultei o SAC dos Yankees sobre o carrinho, pois aqui em São Paulo não pode entrar nos estádios com ele. Conversei com um funcionário de lá pelo chat do site. Foi super rápido e o atendente foi muito solícito e simpático. Falou que nós adoraríamos o jogo, que ia ser uma experiência muito bacana para brasileiros, explicou que muita gente leva bebês pequeninos, se colocou à nossa disposição e ainda encerrou com um “Go Yankees!”.

Olha o balão que a Bela ganhou da funcionária do estádio!
Go Yankees!

Achei o atendimento pré-jogo muito bom e não pude deixar de lembrar do dia em que precisei saber se poderia entrar no Estádio do Morumbi com carrinho e ninguém sabia informar direito. Me transferiram da bilheteria para a administração, da administração para algum fulano que estava organizando a partida, depois me deram o telefone da Polícia Militar e disseram que eles que sabem responder, pois eles que fazem a revista na entrada do estádio. Liguei para a polícia e fui transferida para um monte de gente até finalmente descobrir que não, não pode levar o carrinho para o Morumbi.

Durante o jogo, a Bela se comportou como uma lady. Revezou o meu colo com o do pai, dormiu, torceu, comeu, assistiu o jogo e a torcida, distribuiu simpatia.

A Bela dormiu!

No estádio, uma ótima estrutura e muitas lojas com produtos do time. Gustavo comprou um jersey que eles personalizaram na hora com o sobrenome dele, compramos bonés para ele e para a Bela e eu comprei uma camiseta. Muita gente simpática cruzou o nosso caminho. Uma senhora deu para a Bela um anel dos Yankees e uma outra deu a ela um balão prateado em formato de estrela, inflado com gás hélio.

Uma partida de baseball costuma ser longa. É um programa para um turno inteiro. Depois do jogo, comemos no Hard Rock Café do próprio estádio. No Hard Rock, aquele atendimento que tanto apreciamos nos restaurantes tipicamente americanos. Oferecem cadeirão para as crianças, giz de cera e papel para colorir, menu infantil, banheiro com trocador, hambúrgueres de primeira, refrigerante com refil e porções bem servidas… Tudo o que uma família viajante precisa.

Hard Rock Cafe Yankee Stadium

Para quem ficou interessado, os outros times de Nova York são:

New York Yankees e New York Mets (baseball)

New York Giants e New York Jets (futebol americano)

New York Rangers, New York Islanders e New Jersey Devils (hockey no gelo)

New York Knicks e Brooklyn Nets (basquete)

Nossa conclusão é que é um programa que vale muito a pena. É muito tranquilo para ir com criança e é bom que dá uma quebrada naquela coisa de ficar batendo perna pela cidade.

Nova York com bebê de um ano (parte 3): Central Park

Chegamos à terceira parte do nosso relato da viagem a Nova York (as partes 1 e 2 vocês conferem aqui): Nova York com bebê de um ano – parte 1; Nova York com bebê de um ano – parte 2.

Hoje vamos falar sobre um dos meus lugares favoritos na cidade: o Central Park. Tem tanta coisa para falar sobre esse parque, que decidi fazer um post exclusivo para ele.

Para ter uma ideia das proporções desse parque, veja como ele ocupa uma grande área de Manhattan. O retângulo verde no meio da imagem é o Central Park. Imagem retirada do Google Maps.
Para ter uma ideia das proporções desse parque, veja como ele ocupa uma grande área de Manhattan. O retângulo verde no meio da imagem é o Central Park. Imagem retirada do Google Maps.

O Central Park é um programa nova-iorquino que, por si só, já vale a viagem. Se você está com crianças, então, o passeio se torna imperdível. Nada mais, nada menos que 411 atrativos estão distribuídos em 843 acres (um retângulo de 2,5 milhas de comprimento por 0,5 milhas de largura, que convertendo dá 4,02 km por 804,67 m), recebendo a visita de cerca de 40 milhões de pessoas por ano (os dados são do site oficial do Central Park).

Olha ele ali! Central Park visto do Top of the Rock.

Fazer um piquenique, patinar no gelo, tomar um sol deitado na grama, apreciar a paisagem, ler um livro, visitar o mini-zoológico que tem mais de 150 espécies de animais, assistir o teatrinho de marionetes, aproveitar a estrutura fantástica de algum dos playgrounds, fazer uma refeição com vista para o lago na The Loeb Boathouse… São tantas possibilidades, que difícil é escolher o que fazer.

Pezinhos na estrada. A foto de destaque do nosso blog foi feita na graminha do Central Park!
Sheep Meadow, uma boa área para fazer piqueniques
Uma paradinha para descansar

É possível transitar pelo parque a pé (é super tranquilo levar o carrinho de bebê), de bicicleta (com tours guiados ou autoguiados), de vespa, de pedicab ou de carruagem. Para mais informações, é só clicar nos links que coloquei.

Fomos dois dias ao Central Park. Em um deles, curtimos o parque a pé, sem pressa para cumprir qualquer roteiro pré-estabelecido. A Bela praticou a caminhada na grama, sem medo de cair, brincamos e nos divertimos com ela, nos sentimos especiais por ter a oportunidade de estar em um lugar tão lindo.

Bela praticando a caminhada
Bethesda Fountain, uma das fontes mais famosas do mundo
Mamãe e Bela felizes por estar em NYC

No outro dia, eu queria alugar umas bikes para fazer o tour do parque, mas o meu marido achou melhor contratarmos um pedicab (também conhecido como rickshaw), pois achava a Bela ainda muito pequena para uma pedalada mais longa. Esse veículo é uma espécie de “táxi-bicicleta” e o seu condutor, que também é o guia, segue pedalando e contando a história e as curiosidades sobre o parque e os principais atrativos.

O passeio foi muito divertido. Sentamos confortavelmente no banquinho eu, o Gustavo e a Bela. O carrinho da Bela seguiu dobradinho, em um espaço livre em frente aos nossos pés. Nosso guia era muito gentil e o tour foi todo em inglês, com sotaque do oriente médio (se não me engano, o rapaz era do Omã). Não fizemos a reserva do passeio. Chegamos ao parque caminhando e negociamos com o guia lá na entrada. Já tínhamos a ideia do preço, pois no dia anterior fomos abordados por muitos outros guias que oferecem o mesmo serviço. Vale destacar que a tip (gorjeta) não está incluída no preço e, no final do passeio, você precisa lembrar de pagá-la ao condutor. Aliás, gorjeta nos Estados Unidos é assunto sério. Para entender melhor como funciona essa coisa das tips, clique aqui e veja dicas do mestre Ricardo Freire.

Bethesda Fountain, uma das fontes mais famosas do mundo
Bethesda Fountain, uma das fontes mais famosas do mundo
A fonte que dizem ter inspirado a abertura de Friends, que na verdade foi gravada em um estúdio em LA

Pedicab / rickshaw: todos a bordo

Um passeio pelo Central Park é como uma sequência de flashbacks de vários filmes e séries que você já viu na vida. Esqueceram de mim 2, Sex and the City, a fonte que dizem ter inspirado a abertura de Friends, o lago e The Loeb Boathouse, que aparecem em Vestida para Casar e Harry e Sally… São tantas, TANTAS cenas que já foram gravadas e fotografadas lá, que é impossível não se emocionar desbravando o parque.  O guia vai mostrando onde foi gravada cada cena e se precisar de provas, ele tem uma pastinha cheia de imagens dos filmes.

Os prédios que circundam o parque também são carregados de história. Era no Dakota Building que John Lennon morava com Yoko Ono quando foi assassinado, a caminho de casa, em 1980. Do outro lado da rua, dentro do parque, fica o memorial Strawberry Fields, que recebe visitantes e fãs do mundo inteiro, que trazem flores, fotos, lembranças, orações e músicas em tributo ao John. Um pouco triste lembrar como ele morreu. O trechinho em meio às plantas até o memorial é meio melancólico, mas é bem emocionante

Strawberry Fields
Strawberry Fields
Dakota Building

O Museu de História Natural também está localizado às margens do parque. Sim! É aquele museu maravilhoso que aparece no filme do Ben Stiller, Uma noite no museu. E sim! Era lá que o Ross, do seriado Friends, trabalhava nas primeiras temporadas! Imperdível.

Outro museu top é o Met, Metropolitan Museum of Art, localizado na 5th Ave, dentro do parque. Para os fãs de Friends (a essas alturas já deu para perceber que sou um deles, né?), foi lá que o Joey levou a professora de paleontologia, Charlie, tentando impressioná-la e seguindo as dicas do Ross, que também estava caidinho por ela.

O Hotel Plaza, localizado na 5th Ave, com uma das laterais voltada para o parque, foi locação para vários filmes, entre eles, Esqueceram de Mim 2, O Grande Gatsby, Trapaça, Perfume de Mulher, Crocodilo Dundee, Arthur (versão de 1981), e até o clássico do Alfred Hitchcock, Intriga Internacional, de 1959.

O prédio localizado no endereço 55 Central Park West é conhecido como Ghostbusters Building (Prédio dos Caça-Fantasmas), pois algumas cenas do filme de 1984 foram filmadas lá.

Veja aqui uma lista com os top 10 edifícios de apartamentos no entorno do Central Park.

O Central Park é isso e muito mais. Indo à cidade, reserve um tempo bom para experimentar a atmosfera deliciosa que esse parque proporciona. Acredito ser um passeio que mereça pelo menos um dia dedicado a ele dentro do roteiro (isso sem contar o tempo de visita aos museus).