Dos Estados Unidos para o Canadá de ferry e de motorhome: como é a travessia de Port Angeles a Victoria

Depois de 4 dias incríveis em Seattle, era hora de voltar para o Canadá, onde ficaríamos mais uns dias em Victoria, depois em Vancouver e enfim voltaríamos para o Brasil, com uma paradinha em Toronto para conhecer as Cataratas. Saiba mais sobre o nosso roteiro completo pelos Estados Unidos e Canadá de motorhome neste link: http://pezinhonaestrada.com/2017/12/12/roteiro-pelo-canada-e-estados-unidos-de-motorhome-british-columbia-alberta-montana-idaho-e-washington-state/ .
Para voltar de Seattle para o Canadá, decidimos pegar o ferry que leva de Port Angeles, cidade que fica a umas três horas de Seattle, no estado de Washington, até Victoria, capital da British Columbia.
Essa linha do ferry é operada pela Black Ball Ferry Line e as tarifas para veículos estão detalhadas neste link: https://www.cohoferry.com/Fares .
A travessia dura 90 minutos e a quantidade de horários disponíveis por dia depende da época do ano. No verão, há pelo menos três horários disponíveis. No inverno, são dois horários.
No dia em que fizemos a travessia, nós perdemos o horário do ferry no qual tínhamos feito a reserva (12h45), então tivemos que esperar o ferry seguinte, que só partiria de Port Angeles às 17h15.

Se você for fazer esta travessia em alta estação, é recomendável fazer uma reserva antecipada para o seu veículo no site da Black Ball Ferry Line.

Se você estiver com tempo de sobra, no caminho de Seattle até Port Angeles há alguns locais interessantes para parada. Passamos por uma região indígena bem interessante e também nas proximidades de fazendas com campos de lavanda e da cidade de Forks (quem é fã da saga Crepúsculo, sabe bem o que isso significa).
Como perdemos o ferry, tivemos um tempinho para curtir Port Angeles.

Jamestown S'Klallam Tribe, em Washington State
Jamestown S’Klallam Tribe, em Washington State
Jamestown S'Klallam Tribe, em Washington State
Jamestown S’Klallam Tribe, em Washington State

Almoçamos na cidade e depois as crianças foram brincar em um playground na praia. Para os fãs de Crepúsculo, Port Angeles é a cidade maiorzinha onde Bella foi comprar vestido para o baile.

Local onde almoçamos, em Port Angeles.
Local onde almoçamos, em Port Angeles.
Tinha giz de cera e material para as crianças colorirem
Tinha giz de cera e material para as crianças colorirem
Cardápio do restaurante em Port Angeles
Cardápio do restaurante em Port Angeles
Cardápio do restaurante em Port Angeles
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry
Curtindo Port Angeles, enquanto aguardávamos o horário do nosso ferry

O ferry que conecta os Estados Unidos ao Canadá é muito limpo e organizado. Durante o percurso, quem está com veículo tem que sair do carro e subir para a área de passageiros. Tem restaurante e café a bordo e muitas áreas para sentar e apreciar a vista. A travessia é belíssima.

Motorhome devidamente estacionado no ferry
Motorhome devidamente estacionado no ferry
Ferry que faz a travessia Port Angeles (Estados Unidos) - Victoria (Canadá).
Ferry que faz a travessia Port Angeles (Estados Unidos) – Victoria (Canadá).
A Bela fazendo amigos no ferry
A Bela fazendo amigos no ferry
A travessia é linda
A travessia é linda
No ferry
No ferry
No ferry
Pôr-do-sol

Um pouquinho antes de chegar a Victoria, as pessoas que estão com carro precisam descer para o estacionamento dos veículos e esperar dentro do carro enquanto o ferry atraca, pois logo em seguida, os veículos já vão saindo, de forma bem dinâmica. O procedimento de imigração é realizado na saída do terminal de ferry, onde o oficial canadense da imigração pede os passaportes e vistos e faz aquelas perguntas de sempre nas fronteiras (para onde vamos, quantos somos, o que estamos trazendo no carro, quantos dias vamos ficar, esse tipo de informação)… Nem precisamos descer do motorhome.
O lado super positivo de termos perdido o ferry de meio-dia é que fomos brindados com um pôr-do-sol sensacional, apreciado de dentro do ferry. Momento inesquecível!
Enfim, estávamos em Victoria, capital da British Columbia, mas isso já é assunto para o próximo post.
___________________________________________________________________________
Nesta aventura, nós ficamos o tempo todo conectados na internet porque usamos o chip Easysim4u, que tem internet ilimitada nos Estados Unidos, Canadá e mais de 140 outros países. O chip é enviado para a sua residência no Brasil antes da viagem e, quando você chega ao destino, basta colocar o chip no celular e começar a usar. Você já sai do aeroporto conectado e usando o Waze e a internet à vontade.
Agradecemos pela gentileza da Easysim4u, parceira da RBBV, por ter nos enviado como cortesia o chip e o plano (USA + Canadá) para que pudéssemos permanecer conectados, compartilhando todos os momentos desta roadtrip com os leitores do nosso blog.
___________________________________________________________________________
Usou alguma dica do nosso blog? Conta como foi! Gostamos muito de receber o retorno dos nossos leitores. Ficamos felizes quando sabemos que nossas dicas foram úteis nas viagens de outras famílias!
___________________________________________________________________________
Siga o Pezinho na Estrada nas redes sociais: Facebook e Instagram.
___________________________________________________________________________
Já reservou o seu hotel? Nós somos parceiros do Booking. Quando você faz a sua reserva usando o nosso link, nós ganhamos uma pequena comissão que nos ajuda na manutenção do blog e você não paga nada a mais por isso.
Booking.com

Banff, Alberta, Canadá: Montanhas Rochosas de motorhome, com crianças – os lagos

Continuando o nosso relato sobre o Parque Nacional de Banff (a primeira parte, você vê aqui), hoje falaremos sobre os lagos que estão na região. Esse é sétimo dia do nosso roteiro pelos Estados Unidos e Canadá de motorhome.

Muita gente já aproveita a passagem pela Icefields Parkway para ir conhecendo os lagos que ficam no caminho. No nosso caso, como ficou tarde no dia que estávamos percorrendo a estrada, preferimos deixar os lagos para um outro dia, para fazermos os passeios com calma e curtirmos a paisagem ainda com o dia claro.

Os lagos que deixamos para este último dia são os que ficam dentro do Banff National Park e não ficam longe da cidadezinha de Banff. E pra falar a verdade, gente, essa estrada é tão, tão linda, que não é problema nenhum ter que percorrer trechos ou mesmo ela inteira mais de uma vez. Percorrer de norte a sul, de sul a norte, ver a paisagem a partir de uma perspectiva diferente, em um horário e com uma luz diferente… Ter que voltar um pouquinho por um caminho que foi percorrido anteriormente não é nenhuma dor de cabeça neste caso e sim, um privilégio.

Eu posso reclamar de “ter que” percorrer essa estrada mais de uma vez?
Chegando em Lake Louise

Nesse sétimo dia de viagem, acordamos no camping Tunnel Mountain Trailer Court, com aquela vista de tirar o fôlego que nós mostramos no post anterior. Tomamos café da manhã no motorhome e pegamos a estrada rumo ao norte, em direção a Lake Louise.

Café da manhã no motorhome
Um café da manhã com essa vista!

Lake Louise

Nem preciso dizer que a paisagem no caminho até lá é fenomenal. Chegando a Lake Louise, aquele lago lindo, azul, imenso, uma multidão de turistas e o hotelzão Fairmont Chateau Lake Louise, com toda a imponência dos seus 8 andares, formando praticamente uma muralha em frente ao lago.

Lake Louise

Lake Louise

Fairmont Chateau Lake Louise

O nome do lago é uma homenagem à Princesa Louise Caroline Alberta, quarta filha da Rainha Victoria. A cor incrível, às vezes bem azul, às vezes azul esverdeada, vem das partículas de rocha que são levadas ao lago pelas águas derretidas das geleiras. A cor varia dependendo do ângulo, do horário, da luz do sol, das condições climáticas e da própria câmera que é usada para fazer a foto (inclusive no inverno, a paisagem muda completamente, pois ele congela e fica branquinho 😍).

Lake Louise
Lake Louise

Ali é possível alugar uma canoa e fazer um passeio pelo lago, passear a cavalo, fazer um almoço ostentação no hotel, percorrer algumas trilhas pelo entorno do lago e, claro, contemplar a paisagem no entorno. Se a sua visita às Rochosas for no inverno, acrescente às opções de passeio todas as possibilidades de diversão em um lago congelado, como patinação e passeio de trenó e, claro, a prática de esqui nas montanhas nevadas.

Lake Louise
Lake Louise

Em Lake Louise, assim como em Jasper e Banff, também tem uma gôndola que leva os visitantes para o alto da montanha para ter uma vista panorâmica da região. Saiba mais sobre este passeio aqui: http://www.lakelouisegondola.com/ .

Lake Louise

No nosso caso, nos contentamos em visitar o lago, dar uma volta pelas margens e em frente ao hotel, sentar um pouco por ali e contemplar a natureza. Em seguida, já partimos para o nosso próximo atrativo, pois tínhamos muito lago para ver e roupas para lavar (a Isabela deixou a toalha dela cair no chão do banheiro do camping e encharcou, então aproveitamos para lavar tudo o que estava sujo em Lake Louise).

 

Entrada do vilarejo de Lake Louise

Centrinho de Lake LouiseEm Lake Louise há uma pequena vila, que serve de ponto de apoio para os visitantes da região. É bem charmosinha, mas é bem menor que Jasper e Banff. A cidade tem alguma estrutura turística. A lavanderia que usamos foi a do hotel Lake Louise Inn, que é aberta para não-hóspédes. Enquanto as roupas lavavam, almoçamos no motorhome, que ficou estacionado bem próximo ao bloco onde ficam as lavadoras. O hotel me pareceu bacana e bem localizado.

Bow Lake

De Lake Louise, partimos para o Bow Lake, lindo, azul, deslumbrante. Esse lago é de acesso bem fácil, pois é margeado pela Icefields Parkway. O lago é formado pelas águas de derretimento da geleira Bow.

Sente a vibe da Bela no Bow Lake
Sente a vibe da Bela no Bow Lake
Bow Lake

Peyto Lake

Do Bow, partimos para o Peyto Lake, que deve ser o lago mais azul que já vimos na vida. É um azul tão forte que dói nos olhos.

Peyto Lake

Deixamos aqui uma dica bacana. No Peyto Lake, há dois bolsões de estacionamento. Um deles é para carros e motorhomes no geral e, para ir dele até o mirante do lago, percorre-se uma trilha pavimentada de uns 15 minutos. O segundo estacionamento é para ônibus e carros com pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida e fica bem ao lado do mirante do lago. Como estávamos com carrinho de bebê, pedimos para seguir até o estacionamento próximo ao lago e nos autorizaram, sem problemas. Paramos lá, pertinho e seguimos para curtir a paisagem do lago. Esse segundo estacionamento tem muitas vagas, então se você estiver com carrinho de bebê, talvez seja interessante fazer como fizemos.

A geleira que alimenta o Peyto Lake
Peyto Lake
Peyto Lake
Com o carrinho de bebê, a caminho do Peyto Lake

Moraine Lake

Quando tentamos ir até o lago Moraine, um funcionário do parque tinha fechado o acesso pela rodovia que leva à região, porque havia excesso de veículos no estacionamento do lago. Quem quisesse ir até ele, tinha que ir de carro até um ponto da cidade e pegar um transfer gratuito para o lago. Preferimos desencanar, sair para almoçar e lavar nossas roupas e voltar mais tarde para o lago.

Estacionamento do Lake Moraine
Chegando ao Lake Moraine
Chegando ao Lake Moraine
Lake Moraine
Lake Moraine

Quando voltamos, no fim da tarde, o acesso já estava liberado e seguimos de motorhome até o estacionamento do lago. Chegamos lá já perto do fim da tarde e o lugar é uma graça. Tinha muitos troncos atravessados no caminho do estacionamento até o lago, o que podia atrapalhar um pouco o acesso de pessoas com mobilidade reduzida.

Troncos atrapalham o acesso às margens do Lake Moraine

Hector Lake

O Hector Lake é um dos lagos que se formam ao longo do Bow River. Seu nome é uma homenagem ao escocês Sir James Hector, geólogo, naturalista e cirurgião responsável pela Expedição Palliser.

O Hector Lake, visto da estrada

Depois que visitamos os lagos, pegamos a estrada rumo ao sul, em direção ao estado de Montana, nos Estados Unidos. Nosso objetivo era dirigir até onde pudéssemos e pararmos para dormir em qualquer lugar (camping, posto de gasolina, algum cantinho especial da estrada…). Essa flexibilidade é uma das vantagens de viajar de motorhome. Eu pretendia parar para dormir ainda no Canadá. O Gustavo queria cruzar a fronteira ainda nesse dia e já passar a noite nos Estados Unidos. Decidimos ir descendo, sem compromisso e acabamos chegando em Eureka, nos Estados Unidos. A lua nascendo por trás das Montanhas Rochosas na estrada foi coisa de cinema. Inesquecível!

 

Descendo em direção aos Estados Unidos, com a lua aparecendo por trás das Rochosas

Depois conto para vocês como foi a experiência de cruzar a fronteira entre os Estados Unidos e o Canadá em um motorhome, de madrugada. Altas aventuras…

___________________________________________________________________________

Usou alguma dica do nosso blog? Conta como foi! Gostamos muito de receber o retorno dos nossos leitores. Ficamos felizes quando sabemos que nossas dicas foram úteis nas viagens de outras famílias!

___________________________________________________________________________

Siga o Pezinho na Estrada nas redes sociais: Facebook Instagram.

___________________________________________________________________________

Já reservou o seu hotel? Nós somos parceiros do Booking. Quando você faz a sua reserva usando o nosso link, nós ganhamos uma pequena comissão que nos ajuda na manutenção do blog e você não paga nada a mais por isso.
Booking.com

__________________________________________________________________________

Nesta viagem, nós ficamos o tempo todo conectados na internet porque usamos o chip Easysim4u, que tem internet ilimitada nos Estados Unidos, Canadá e mais de 140 outros países. O chip é enviado para a sua residência no Brasil antes da viagem e, quando você chega ao destino, basta colocar o chip no celular e começar a usar. Você já sai do aeroporto conectado e usando o Waze e a internet à vontade.

Agradecemos pela gentileza da Easysim4u, parceira da RBBV, por ter nos enviado como cortesia o chip e o plano (USA + Canadá) para que pudéssemos permanecer conectados, compartilhando todos os momentos desta roadtrip com os leitores do  nosso blog.

Banff, Alberta, Canadá: Montanhas Rochosas de motorhome, com crianças (onde dormir, o que fazer, onde comer) – parte 1

Neste post, coloquei algumas dicas de Banff. Mas como tinha bastante coisa para escrever sobre a cidade, dividi o material em dois posts. Assim sendo, chamarei este aqui de Parte 1.

No sexto dia de viagem, acordamos em Banff, no camping Tunnel Mountain Trailer Court. Quando chegamos lá no dia anterior, já era noite, estava escuro e mal conseguíamos enxergar o nosso entorno. Só conseguíamos ver dezenas de elks (uapitis), que estavam em época de cio e ocupavam todo o espaço do camping. Mas sobre os elks, vou voltar a falar mais tarde.

O que não esperávamos era a vista incrível quando acordamos pela manhã. Foi emocionante puxar a cortina da janela e dar de cara com aquela montanha maravilhosa. Foi ali que passamos a noite?!? Que privilégio! Uma das vantagens de viajar de motorhome é essa. Dormir e acordar em localizações estratégicas, com vista esplêndida. Tem hotel de 5 estrelas, caro, que não proporciona vistas assim.

Vista da janela do motorhome, estacionado na nossa vaga do camping Tunnel Mountain Trailer Court.

A vaga que escolhemos no camping foi a número 224, com full hookup (eletricidade, água encanada e rede de esgoto). Tem essa vista linda e fica relativamente perto de um banheiro com chuveiros. O banheiro é limpinho e vale a pena tomar banho lá. É que no motorhome os banhos precisam ser rápidos ou a água esfria, às vezes acaba. No banheiro do camping, dá para tomar um banho mais relaxante, sem dar cotoveladas nas paredes o tempo todo (risos).

Depois do banho, fomos tomar café da manhã na cidade de Banff, no Tim Hortons. Encontramos um estacionamento super bacaninha e grátis onde dá para parar os motorhomes. Pontinho estratégico inclusive para estacionar e bater perna pela cidade. Paramos ali porque precisávamos dar uma passada na Brewster, que fica do outro lado da rua, e pegar os vouchers para os passeios que íamos fazer em seguida. O estacionamento é o parking lot da Wolf Street, bem ao lado do Banff – Mineral Springs Hospital.

Estacionamento grátis em Banff.

O escritório da Brewster, hoje conhecida como Pursuit e que organiza diversos passeios pelas Rochosas Canadenses, fica grudado em uma Tim Hortons. Para falar a verdade, tem uma passagem por dentro da Tim Hortons que já leva direto para dentro da Brewster. Lá nós conseguimos pegar nossos vouchers para os tours que faríamos mais tarde, pois por um problema de sistema, a operadora não estava conseguindo enviar nossos vouchers por e-mail.

Como falei no post anterior, a Pursuit vende um combo com ingressos para os principais atrativos pagos de Jasper e Banff. Comprando todos os ingressos juntos, você consegue economizar um pouco. O que escolhemos foi o Ultimate Explorer, que dá direito aos dois principais passeios da Icefields Parkway (Glacier Skywalk e Glacier Adventure, sobre os quais falamos no post anterior), ao Banff Lake Cruise (passeio de barco no lago) e à Banff Gondolahttps://www.banffjaspercollection.com/attractions/attraction-combo-packages/ (Agradecemos à Pursuit / Brewster Canada por ter fornecido ingressos de cortesia para a nossa família).

Banff Gondola

O primeiro passeio que fizemos nesse sexto dia de viagem foi o Banff Gondola. O início do passeio é na estação da gôndola, que fica localizada a cinco minutinhos de carro do centro de Banff. O teleférico leva os visitantes até o topo da Sulphur Mountain, que fica 2.451 metros acima do nível do mar. A subida até o alto da montanha é de 698 metros e leva em torno de 8 minutos.

Chegando à estação de onde sai o teleférico

Não, o ingresso não é muito barato, mas sim, trata-se de um passeio imperdível. Simplesmente não dá para chegar até ali e abrir mão de fazer esse tour. É emocionante demais, a vista é linda demais, a estrutura é boa demais e você viverá momentos inesquecíveis demais. Isso é fato.

Nossa família subindo a Sulphur Mountain no teleférico
Dentro do teleférico
Subida de teleférico
Subida de teleférico
Subindo a montanha

A subida, dentro do teleférico, já proporciona visuais de tirar o fôlego, mas chegando lá no alto da montanha, o visual panorâmico das rochosas é algo que realmente impressiona. Principalmente se você der a sorte de pegar os topos das montanhas nevados, como nós pegamos.

Gustavo e o Felipe, chegando ao alto da montanha
Gustavo e o Felipe, chegando ao alto da montanha
Eita Canadá bonito!

Partindo da estação que fica no topo, passarelas de madeira, escadarias e muitos mirantes te guiam em uma caminhada que liga um cume a outro da montanha. É bonito demais. Dá para passar o dia inteiro zanzando por ali. Fique atento à vida selvagem que pode se exibir ao redor. Aves, esquilos, ou quem sabe até mamíferos de maior porte podem aparecer pelo entorno.

A Bela e o Pipo não cola do esquilo
A Bela e o Pipo não cola do esquilo
O visual desse lugar é incrível
O visual desse lugar é incrível
Muitos mirantes e muita escada
Muitos mirantes e muita escada

O centro de visitantes é bem estruturado e tem exposições educativas com muita informação para os turistas. Conta também com restaurante com vista panorâmica, lanchonete / café, lojinha de souvenires, banheiros. O estacionamento é enorme, o que é bom para quem está carregando a casa na cabeça, em um motorhome.

Dicas

  • Prefira um dia com céu azul e aberto para curtir o visual do entorno. A grande graça desse passeio é o visual panorâmico das montanhas.
Panorâmica feita de um dos pontos da passarela. O céu azul ajuda bastante
Panorâmica feita de um dos pontos da passarela. O céu azul ajuda bastante
Como não amar esse lugar?
Como não amar esse lugar?
  • Aqui vale a mesma dica que demos para o teleférico de Jasper e o passeio da geleira. Mesmo que o dia esteja ensolarado, leve roupa apropriada para o clima mais frio. No topo da montanha, as temperaturas são bem mais baixas, venta bastante e o clima nas Rochosas vira muito rápido, então, esteja sempre preparado.
Dia ensolarado, mas todo mundo bem agasalhado. Sim, faz frio lá em cima!
Dia ensolarado, mas todo mundo bem agasalhado. Sim, faz frio lá em cima!
Lugar incrível!
  • Não dá para levar o carrinho de bebê para o topo da montanha. Ele ficará guardado na estação de baixo. Siga para o topo com todos os pertences do bebe que você possa precisar (fraldas, trocas de roupa, mamadeiras) e esteja preparado para carregar a criança no colo ao longo do caminho lá em cima. São muitos degraus e o passeio fica cansativo para os pais que estão com criança de colo. Haja braço e haja coluna! Mas não tenha dúvida. Mesmo com esse esforço extra, é um passeio que vale super a pena.
Como o Pipo ainda não andava tão bem, haja braço para carregar no colo ao longo do passeio.
Como o Pipo ainda não andava tão bem, haja braço para carregar no colo ao longo do passeio.
A caminhada fica longa quando você está carregando uma criança no colo.
Mamãe e papai se revezam no carregamento de bebê

 

Lake Banff Cruise

O segundo passeio que fizemos neste dia foi o cruzeiro no Lago Banff (Banff Lake Cruise), que é um passeio de barco no Lago Minnewanka. O tour dura em média uma hora e é uma ótima oportunidade para curtir a paisagem e aprender um pouco mais sobre as Montanhas Rochosas. Durante o verão, falam que é possível ver ursos nas margens do lago. Infelizmente não vimos nenhum urso e os guias que encontramos falaram que na época do ano em que fomos (setembro/outubro), é bem difícil conseguir avistá-los, pois eles já se alimentaram bem e estão subindo as montanhas para hibernar. Mas a gente sempre fica na esperança de encontrar um atrasadinho, né?

Banff Lake Cruise
Banff Lake Cruise
Banff Lake Cruise
Banff Lake Cruise

O passeio é lindo, lindo e é uma boa oportunidade para dar uma parada e relaxar. Em determinado momento do nosso tour, a nossa condutora e o nosso guia perguntaram se algum turista queria conduzir o barco e a Bela foi lá ser a nossa capitã. Não preciso dizer que ela amou muito, né?

Nosso guia era um francês super divertido
Nosso guia era um francês super divertido
A Bela amando ser a capitã do nosso barco
A Bela amando ser a capitã do nosso barco

Uma voltinha por Banff

Voltamos do passeio do lago com muita fome. Paramos no Tim Hortons e fizemos um lanche-janta. Eles vendem umas sopas e chilli que caíram super bem naquele horário, finzinho de tarde. Mais tarde, jantaríamos pra valer no motorhome.

Igreja super fofa no centro de Banff
Igreja super fofa no centro de Banff
Esse tal de Tim Hortons vicia
Esse tal de Tim Hortons vicia

Depois do Tim Hortons, fomos fazer um  passeio pela cidade de Banff. Paramos o motorhome em frente ao Banff Canoe Club e ficamos observando as pessoas passearem de bicicleta ao lado do Bow River. De lá, fomos procurar alguma lavanderia aberta, pois tínhamos roupa de cama e toalhas para lavar, mas infelizmente não encontramos nada aberto à noite.

Passeio por Banff no fim da tarde
Passeio por Banff no fim da tarde
Bow River
Bow River

Tempo de reprodução dos uapitis (elks)

Não conseguimos ver ursos na nossa viagem porque em setembro e outubro já se torna bem mais difícil avistá-los do que durante o verão. É possível ver, sim. Mas é beeeem difícil. A grande maioria já está subindo a montanha para hibernar. Já os uapitis (elks), vimos muitos. Principalmente no nosso camping. Quando chegávamos com o motorhome na nossa vaga, tínhamos que dirigir devagar para eles irem aos poucos abrindo espaço para podermos estacionar.

Acontece que essa espécie de mamífero de grande porte entra no cio nesta época do outono (elk rutting season). Então fica muito mais fácil de avistá-los pelos lugares. Em setembro e outubro, eles perdem mesmo a timidez e invadem os campings. Na entrada do parque de Banff, funcionários entregavam panfletos orientando como os visitantes devem agir com os elks, pois eles são animais que podem ser bem agressivos, se se sentirem ameaçados. E uma coisa bem legal é que nessa época eles aparecem em bandos e emitem um som bem característico.

Infelizmente não temos uma foto que preste desses bichos, pois nas duas noites que dormimos em Banff, voltamos tarde para o camping e já estava escuro. Também não íamos arriscar tacar uma foto com flash na cara do bicho e esperar para ver a reação dele. Então ficamos só apreciando mesmo. Além disso, na chegada ao camping, começava uma maratona para alimentar as crianças, colocar todo mundo na cama, colocar os aparelhos eletrônicos para carregar, fazer dumping, conectar o motorhome na água encanada, esse tipo de coisa. E óbvio, todo mundo exausto. Mas para quem não conhece esse animal lindo, joga elk, uapiti ou Cervus canadensis no Google Imagens e vê quanta foto linda que aparece.

Saiba mais sobre os elks no Banff National Park: https://www.pc.gc.ca/en/pn-np/ab/banff/decouvrir-discover/faune-wildlife/wapiti.

 

Nesta sexta noite, jantamos no motorhome e dormimos mais uma vez no camping Tunnel Mountain Trailer Court, na nossa vaguinha número 224.

No próximo post vou falar sobre alguns outros passeios para fazer em Banff. Será a parte 2 desse parque nacional incrível.

 

 

__________________________________________________________________________

Agradecemos a Pursuit (Brewster Canada) pela gentileza de nos ceder os ingressos para que pudéssemos conhecer a Banff Gondola e o Banff Lake Cruise e compartilhar a experiência com vocês aqui no blog.

___________________________________________________________________________

Usou alguma dica do nosso blog? Conta como foi! Gostamos muito de receber o retorno dos nossos leitores. Ficamos felizes quando sabemos que nossas dicas foram úteis nas viagens de outras famílias!

___________________________________________________________________________

Siga o Pezinho na Estrada nas redes sociais: Facebook Instagram.

___________________________________________________________________________

Já reservou o seu hotel? Nós somos parceiros do Booking. Quando você faz a sua reserva usando o nosso link, nós ganhamos uma pequena comissão que nos ajuda na manutenção do blog e você não paga nada a mais por isso.
Booking.com

__________________________________________________________________________

Nesta viagem, nós ficamos o tempo todo conectados na internet porque usamos o chip Easysim4u, que tem internet ilimitada nos Estados Unidos, Canadá e mais de 140 outros países. O chip é enviado para a sua residência no Brasil antes da viagem e, quando você chega ao destino, basta colocar o chip no celular e começar a usar. Você já sai do aeroporto conectado e usando o Waze e a internet à vontade.

Agradecemos pela gentileza da Easysim4u, parceira da RBBV, por ter nos enviado como cortesia o chip e o plano (USA + Canadá) para que pudéssemos permanecer conectados, compartilhando todos os momentos desta roadtrip com os leitores do  nosso blog.